Parecer do Cade sobre fusão de Localiza e Unidas é melhor que o esperado, dizem Credit, XP e Goldman

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

08/09/2021

O parecer da Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre a proposta de fusão entre Localiza e Unidas veio melhor que o esperado, diz o Credit Suisse. A área sugere uma série de remédios que podem facilitar a aprovação do negócio pelo tribunal do regulador antitruste.

“Os remédios sugeridos na decisão são menos severos do que consideramos em nossa avaliação, o que corrobora as recomendações de compra para as duas ações”, escrevem os analistas Regis Cardoso, Henrique Simões e Alejandro Zamacona.

Eles destacam que o colegiado do Cade não precisa seguir o parecer.

  • Leia também: Parecer diz que fusão de Localiza exige ‘remédios’

O banco suíço ressalta que em duas das três áreas de atuação das empresas, gestão de frotas e venda de veículos seminovos, a superintendência não apontou riscos no equilíbrio competitivo, focando apenas nas questões envolvendo o segmento de aluguel de carros.

O remédio sugerido foi a venda de parte da frota e lojas da Unidas, com número não divulgado, ao redor do Brasil.

“Apesar do número não ter sido divulgado, as informações nos dizem que o comprador vai ficar com mais de 20 mil carros, a terceira maior frota, ainda atrás da Movida.”

Os analistas acreditam que o remédio foi sugerido para manter três grandes empresas no mercado de aluguel de carros, o que deve impedir a Movida de participar do processo de compra.

Já para a XP, os remédios propostos parecem razoáveis por serem negociados com as companhias, o que reitera a visão positiva da casa com as empresas e o setor de locação de automóveis.

Os analistas Pedro Bruno, Lucas Laghi e Gabriela Ferrante dizem que apesar de os remédios não terem sido divulgados na íntegra, o documento do Cade sugere algo positivo em relação às expectativas do mercado.

A superintendência sugeriu o desinvestimento parcial de 20 mil a 50 mil carros das operações de aluguel da Unidas, contra frota de 71 mil no segundo trimestre, mantendo seus direitos de marca.

A XP considera que as sinergias da fusão não estão precificadas, com os papéis de Localiza e Unidas tendo desempenho inferior ao do Ibovespa e os temores envolvendo a situação fiscal e da pandemia no Brasil. Os analistas veem sinergias de até R$ 7,8 bilhões na fusão.

Por sua vez, Goldman Sachs vê que as medidas sugeridas podem ser mitigadas pela nova empresa no longo prazo, de tal modo que o parecer emitido pelo órgão é positivo.

Os analistas Bruno Amorim e João Frizo falam que a decisão traz visibilidade sobre o processo na autoridade antitruste e muitas das medidas já eram esperadas pelo mercado.

“Nenhum remédio foi sugerido para os negócios de gestão de frotas e venda de seminovos, como esperado, e notamos que a venda de ativos em aluguel de veículos pode ser mitigada no longo prazo com a aquisição de veículos abertura de novas lojas”, escrevem.

Eles notam que os remédios podem implicar no surgimento de um novo competidor no setor, mas que, mesmo assim, a fusão entre Localiza e Unidas gera sinergias, com o papel sendo negociado a um múltiplo atrativo de 22,1 vezes o preço-lucro em 2021 e de 22,8 vezes em 2022.

O Goldman Sachs tem recomendação de compra para Localiza, com preço-alvo em R$ 69, potencial de alta de 24,5% sobre o fechamento da última segunda-feira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *