Mudança em padrão de consumo com pandemia influencia revisões maiores no varejo, diz IBGE

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

10/09/2021

Ao comentar a revisão do resultado do varejo em junho, na série com ajuste sazonal — que passou de queda de 1,7% para alta de 0,9% —, o gerente da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), Cristiano dos Santos, explicou que a pandemia provocou uma mudança no padrão de consumo, que ajuda a explicar as revisões mais fortes, como ocorreram nos meses de abril e junho de 2021.

  • Leia também: Varejo restrito cresce 1,2% em julho, acima do teto das estimativas, de 1,1%

“A estrutura do padrão de consumo está muito distinta na pandemia do que era anteriormente. E temos meses mais atípicos, como abril e junho, em que há uma diferença maior nessa estrutura de sazonalidade”, diz ele, responsável pela pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado de junho tinha sido divulgado inicialmente como queda de 1,7%, mas foi revisto agora para expansão de 0,9%. Já o resultado de abril, divulgado como avanço de 1,8%, foi revisto para 4,9%.

Entre os exemplos desses movimentos diferentes do padrão de consumo na pandemia, Santos citou o início de vendas de ovos de Páscoa no mês de janeiro, a ausência do carnaval e alguma antecipação de compras de Natal em função da Black Friday.

Já está prevista, por parte do IBGE, uma atualização do modelo de ajuste sazonal em 2022, que passará a valer nos dados do mês de janeiro. Essa revisão metodológica é parte do cronograma padrão da pesquisa, que independe da pandemia e é feito a cada três ou quatro anos.

“A gente vai fazer ajustes no início do ano, já num período mais distante do início da pandemia, que trouxe volatilidades muito grandes para a série com ajuste sazonal”, explica.

Categorias:

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *