Embarques de carne do estado de SC crescem 5,6%

Arábia Saudita, Japão, Chile, China e Filipinas estão entre os principais compradores das proteínas.

21/07/2021

Embarques de carne do estado de SC crescem 5,6% Brasil teve o melhor mês do ano na venda de carne de frango (Foto: Secom/Divulgação)

O estado de Santa Catarina fechou o primeiro semestre de 2021 com recorde nas exportações de carne de frango e carne suína. Em recita, os embarques alcançaram faturamento de mais de US$ 1,5 bilhão, crescimento de 5,6% em relação ao mesmo período de 2020. Em volume, as vendas foram de mais de 775,6 mil toneladas de carnes. Os principais compradores foram Arábia Saudita, Japão, Chile, China e Filipinas, países que registraram altas nas compras dessas proteínas.

O estado catarinense é o maior produtor de carne suína e segundo maior produtor de carne de frango do Brasil.  Os números são divulgados pelo Ministério da Economia e analisados pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa).

No acumulado do ano, Santa Catarina embarcou 492,6 mil toneladas de carne de frango, gerando receitas de US$ 829,3 milhões. Já com as exportações de 283 mil toneladas de carne suína, os catarinenses obtiveram um faturamento que passa de US$ 705 milhões.

“O setor produtivo supera os desafios e segue cumprindo sua missão de alimentar o mundo. Os números impactam também a economia catarinense, com a geração de emprego e renda ao longo de toda cadeia de produção”, destaca o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Altair Silva.

Diferenciais da produção catarinense

Um dos fatores mais importantes com relação ao status sanitário do estado é que Santa Catarina é reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como área livre de febre aftosa sem vacinação, o que demonstra um cuidado extremo com a sanidade animal e é algo extremamente valorizado pelos importadores de carne. Além disso, Santa Catarina, junto com o Rio Grande do Sul, é zona livre de peste suína clássica. A Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), em parceria com a iniciativa privada e os produtores, mantém um rígido controle das fronteiras e do rebanho catarinense.

Melissa Cerozzi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *