CCR vence leilão do Aeroporto da Pampulha ao oferecer R$ 34 milhões de outorga fixa

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

05/10/2021

Após uma disputa em viva-voz com 17 ofertas pela concessão do Aeroporto da Pampulha, o grupo CCR venceu o leilão com uma oferta de R$ 34 milhões de outorga fixa. O valor mínimo do leilão era de R$ 9,8 milhões. A proposta da CCR equivaleu a um ágio de 245,29%. A CCR foi representada no certame pela corretora Mundinvest.

Também participou do leilão o consórcio Asa, formado pelas empresas Infracea Controle do Espaço Aéreo e Capacitação e Expresso Industrial. O consórcio foi representado pela corretora Ativa.

Após a conclusão do leilão em viva-voz, Cristiane Gomes, CEO da CCR Airports, disse que o projeto de consolidação em Minas Gerais é de longa data. “A CCR está se consolidando dentro de uma plataforma com 15 aeroportos no país. É uma alegria extrema comemorar a conquista do aeroporto da Pampulha. Vamos trabalhar para que este aeroporto seja um indutor de desenvolvimento, emprego e renda”, afirmou.

  • Leia mais: Rede Voa pretende internacionalizar aeroportos de SP

A concessão terá duração de 30 anos, com investimentos estimados pelo governo do Estado em R$ 151 milhões. Do total, R$ 65 milhões devem ser investidos nos primeiros três anos na modernização do local.

O secretário de Infraestrutura e Mobilidade de Minas Gerais, Fernando Marcato, observou que esse é o primeiro de uma série de leilões de concessão que o Estado planeja fazer nos próximos meses. “São, pelo menos, mais 12 ativos que serão licitados, se Deus quiser, todos com o mesmo sucesso”, afirmou Marcato.

  • Leia mais: Transporte de carga aérea bate recorde

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), observou que, nas últimas décadas, o Estado adotou um caminho que gerou déficits bilionários e agora, em sua gestão, tem a tarefa de “colocar o Estado de volta nos eixos”.

“Nós reduzimos o custeio do Estado em 49%. Mais de 50 mil cargos foram extintos. E mesmo assim temos um Estado com déficit. Já temos um fluxo de caixa previsível, mas as privatizações são fundamentais”, afirmou Zema.

O governador disse que espera conseguir privatizar em breve estatais como Codemig, Cemig e Copasa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *