Brasil pode ser gigantesco fornecedor de energia e energia limpa, diz Leite

26/05/2022

São Paulo, 26 – O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, disse nesta quinta-feira, 26, que o decreto de criação do mercado regulado de carbono no País, assinado na semana passada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), reforça o potencial que o País tem de ser um “gigantesco fornecedor de energia limpa.”

“Nós temos uma oportunidade única, de ser um País que irá contribuir com a descarbonização e a redução de emissões globais”, disse o ministro, que participa na manhã desta quinta da 16ª edição do <i>Prêmio Broadcast Projeções</i> e da 26ª edição do <i>Prêmio Broadcast Analistas</i>, organizados pela <i>Agência Estado</i>, de 2022.

De acordo com Leite, o decreto traz benefícios para todos os setores, já que o Brasil tem características naturais e econômicas de geração de crédito a um custo menor do que o de outros países. O ministro citou o potencial de geração de crédito na Amazônia, com reflorestamento e com açúcar e álcool.

“Vários outros setores também podem se beneficiar, como o inovador crédito de metano. Nenhum outro país do mundo trouxe um crédito específico para metano como nós trouxemos, para tratar o lixo orgânico, tanto no campo quanto na cidade”, afirmou. “Temos um potencial de 120 milhões de metros cúbicos por dia, isso equivale a quatro gasodutos Brasil-Bolívia.”

Segundo Leite, o País tem potencial de substituir até 30% do uso do diesel, especialmente na agricultura, com o uso do biometano. O ministro também reforçou que, após o decreto, usinas de açúcar e álcool já anunciaram investimentos em torno de R$ 60 bilhões.

De acordo com Leite, estudos do Banco Mundial também mostram que o Brasil tem a possibilidade de instalar “50 Itaipus” no mar, com potencial de geração de até 700 gigawatts de energia limpa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.