Mercado de fidelidade mantém retomada no 2º tri e se aproxima do pré-pandemia

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

22/09/2021

Com o varejo mantendo sustentação do mercado, as empresas de fidelidade do Brasil registraram, no segundo trimestre, um total de 61,7 bilhões de pontos/milhas resgatados. O resultado representa uma alta de 44,6% na comparação com o primeiro trimestre, sinalizando uma continuação na retomada. Contra igual período de 2019, o número representa uma queda de 9,4%. Os dados foram divulgados pela Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (Abemf), que reúne empresas como Smiles, Dotz, Elo e GPA.

“Quando contrapomos esses dados ao mesmo período de 2019, vemos uma diferença pequena, mostrando que o setor retorna aos níveis pré-pandemia. Isso se deve à retomada de alguns segmentos e também ao trabalho das empresas do setor”, disse o presidente da associação, João Pedro Paro Neto.

  • Leia mais: Argentina reabrirá fronteiras para brasileiros a partir de outubro

Segundo Paro, a tendência é que os números continuem a melhorar com a retomada de mercados ainda fragilizados, como o turismo.

  • Leia mais: EUA aceitarão turistas brasileiros, mas vacinados

O total de pontos/milhas emitidos no trimestre foi de 70,3 bilhões, alta de 21,4% contra os primeiros três meses do ano. Quando se trata da comparação com igual trimestre de 2019, o montante é 8,4% inferior.

  • Leia mais: Latam se diz pronta para aumentar número de voos entre Brasil e EUA

Sobre o faturamento bruto das companhias, a Abemf verificou um crescimento de 4,2% em relação aos primeiros três meses do ano, chegando a R$ 1,28 bilhão, embora ainda esteja 32,7% inferior ao registrado em igual trimestre de 2019.

  • Leia mais: Avanço da vacinação faz crescer demanda por viagens em agosto

O número de inscritos em programas de fidelidade apresentou alta de 3% em relação ao trimestre imediatamente anterior, para 170,4 milhões de cadastros em todo o país. No segundo trimestre de 2019 eram 156,4 milhões.

Quanto à origem dos pontos, a associação mostra que não houve mudanças significativas, a quase totalidade continua sendo proveniente do varejo, 96,7%, e as passagens aéreas são responsáveis por 3,3% desses pontos/milhas emitidos – antes, as aéreas eram maioria.

Já o destino dos pontos/milhas resgatados continua apontando para uma retomada do setor de turismo. Um total de 55,9% deles foram destinados a passagens aéreas, número que chegou a ficar em zero no segundo trimestre de 2020. Os destinos internacionais mais resgatados foram Flórida – Orlando, Cancún e Miami. Entre os nacionais, ficaram no topo São Paulo, Rio de Janeiro e Recife.

A taxa de breakage, que mede o percentual de pontos/milhas que os consumidores deixam expirar, caiu ligeiramente, ficando em 15,5%, ainda abaixo dos patamares pré-crise.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *