Japão planeja exigir que grandes empresas divulguem relatórios sobre riscos climáticos

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

05/10/2021

O regulador financeiro do Japão planeja exigir que grandes empresas relatem suas emissões de gases de efeito estufa e divulguem outras informações relacionadas ao clima, disseram fontes ao “Nikkei Asia”. A iniciativa afetaria cerca de 4 mil companhias, inclusive as que estão listadas na Bolsa de Valores de Tóquio.

As novas diretrizes da Agência de Serviços Financeiros (FSA) ajudariam investidores e instituições financeiras a entenderem melhor os riscos e as oportunidades de lucro que as empresas podem ter devido às mudanças climáticas.

A expectativa é que a medida passe a ser exigida de parte das companhias em abril de 2022 e das demais em 2023.

A FSA poderá exigir que as empresas façam relatórios de acordo com as regras da Task Force on Climate-related Financial Disclousures (TCFD), uma estrutura desenvolvida pelas autoridades financeiras de outras economias importantes.

O TCFD está estruturado em quatro áreas temáticas: métricas e metas, governança, estratégia e gestão de riscos. A FSA quer que as empresas divulguem informações relacionadas às mudanças climáticas nesses quatro temas.

As companhias teriam de divulgar, por exemplo, os níveis de emissões de gases de efeito estufa e estimativas dos impactos negativos das mudanças climáticas sobre seus negócios. Além disso, seria preciso informar como a administração dessas empresas está lidando com esses riscos.

Ainda assim, o TCFD apenas estabelece recomendações de divulgação e cabe às empresas decidir o que e quanto querem tornar público.

Algumas empresas japonesas já estão lidando com a questão. Em 2019, por exemplo, o grupo cervejeiro Kirin analisou o impacto das mudanças climáticas sobre a produção de ingredientes como a cevada e a uva, cruciais para seus produtos.

A International Financial Reporting Standars Foundation deve finalizar detalhes de uma estrutura sobre os padrões globais de relatórios de sustentabilidade, que serão baseados na TCFD, até junho de 2022.

Como as regras sobre divulgações relacionadas às mudanças climáticas terão impactos significativos sobre as empresas e suas estratégias de negócios, vários países, como o próprio Japão, estão envolvidos em uma competição acirrada para assumir a liderança das negociações e ajudar a definir os padrões internacionais.

Categorias:

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *