CPI da Covid ouve o ministro da CGU Wagner do Rosário

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

21/09/2021

A CPI da Covid ouve nesta terça-feira o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU) Wagner Rosário, no que promete ser uma sessão tensa. Originalmente, o ministro foi convocado para falar sobre desvio de recursos liberados pela União para Estados e municípios. Mas o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), já avisou que vai cobrar do ministro explicações sobre a suposta omissão da CGU em negociações irregulares no Ministério da Saúde.

Na semana passada, Aziz chegou a acusar Wagner Rosário de prevaricação — quando um servidor público deixa de tomar iniciativas e se omite diante de irregularidades. “O que ele tem que explicar não é as operações que ele fez, é a omissão dele em relação ao governo federal. Tem que vir, mas não tem que vir para jogar para a torcida, não. Ele vai jogar, aqui é no nosso campo. E Wagner Rosário, que tinha acesso a essas mensagens [sobre negociações de compra de vacinas pelo Ministério da Saúde] desde 27 de outubro de 2020, ele é um prevaricador”, disse o presidente da CPI.

Wagner Rosário usou uma rede social para responder ao presidente da CPI. “Senador Omar Aziz, calúnia é crime. A autoridade antecipar atribuição de culpa, antes de concluídas as apurações e formalizada a acusação também é crime. Aguardando ansiosamente sua convocação”, escreveu. O presidente da CPI usou a mesma rede social para reafirmar a acusação contra Wagner Rosário. “Prevaricação também é crime”, publicou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *