Confiança da indústria registra sexta queda consecutiva, informa FGV

ICI caiu 1,7 ponto e ficou em 98,4 pontos; escala que vai de 0 a 200

27/01/2022

Confiança da indústria registra sexta queda consecutiva, informa FGV China anuncia a suspenção de importação de 3 plantas brasileiras (Foto: Agência Brasil)

Fundação Getulio Vargas divulgou nesta quinta-feira (27) o Índice de Confiança da Industria e ele mostra que a confiança do empresário brasileiro na economia caiu pela sexta vez consecutiva. O índice, que varia de zero a 200 pontos, ficou em 98,4 pontos, com retração de 1,7 ponto em janeiro. É o menor desde julho de 2020, quando chegou a 89,9 pontos.

As médias móveis medidas a cada 3 meses, também indica queda, com tendência negativa de 2,3 pontos.

A Agência Brasil diz que a economista do instituto GV, Claudia Perdigão, o setor industrial inicia 2022 com queda disseminada da confiança entre os segmentos, pesando sobre esse resultado as incertezas em decorrência do aumento dos casos de covid-19 que tem levado a reduções no quadro de funcionários e a ampliação das restrições em países que sentiram o recrudescimento da pandemia.

“Nesse sentido, tanto as perspectivas sobre o ritmo da atividade produtiva, quanto sobre a evolução da demanda foram comprometidas. A sequência de quedas não é observada desde 2014, quando foram registrados oito meses consecutivos de retração. A redução gradual dos gargalos que vêm pressionando a indústria, como a escassez de insumos, pode colaborar para a recuperação do setor no decorrer de 2022”, disse a economista.

Influências

De acordo com o levantamento, o resultado do mês foi influenciado por uma piora tanto das avaliações sobre a situação atual quanto das perspectivas para os próximos meses.

O Índice Situação Atual (ISA) cedeu 1,2 ponto, para 99,8 pontos, menor valor desde agosto de 2020 (97,8 pontos). O Índice de Expectativas (IE) caiu dois pontos para 97,1 pontos, menor patamar desde abril de 2021 (96,9 pontos).

Entre os itens que compõem o ISA, o pior desempenho se deu no indicador que mede a situação atual dos negócios, com queda de 6,4 pontos para 89,4 pontos, menor valor desde julho de 2020 (87 pontos). O indicador de demanda total recuou 4,2 pontos para 99,5 pontos e acumula perda de 14,1 pontos nos últimos sete meses.

“Dos indicadores que integram o IE, a produção prevista para os próximos três meses foi o que mais influenciou a queda do ICI no mês de janeiro, ao cair 4,7 pontos para 94,1 pontos, menor nível desde maio de 2021 (93,1 pontos). O emprego previsto para os próximos meses se manteve relativamente estável ao variar 0,3 ponto para 102,1 pontos. A tendência dos negócios para os próximos seis meses continua em trajetória negativa pelo sexto mês consecutivo, caindo 1,2 ponto em janeiro, para 95,4 pontos, menor valor desde agosto de 2020 (88,8 pontos)”, disse o Ibre/FGV.

Da Redação, com Agência Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.