Equador fecha novo acordo com o FMI e deve receber US$ 1,5 bi neste ano

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

08/09/2021

O Equador anunciou nesta quarta-feira (08) que chegou a um acordo em nível técnico com o Fundo Monetário Internacional (FMI). A negociação deve garantir ao país um novo desembolso de US$ 1,5 bilhões ainda neste ano.

Cerca de US$ 800 bilhões devem ser repassados ao Equador nas próximas semanas e os outros US$ 700 bilhões até dezembro, uma liberação que ainda depende de uma nova revisão por parte do FMI, segundo o ministro da Fazenda, Simón Cueva.

Cueva não quis dar detalhes sobre a negociação, argumentando que o acordo ainda precisa ser aprovado pela diretoria do FMI, algo que deve ocorrer até o final de setembro.

O acordo com o FMI também desbloqueia negociações do Equador com outras organizações internacionais, como o Banco Mundial e a Cooperação Andina de Fomento, segundo o ministro.

“[Esses acordos] devem somar um total de US$ 4,5 bilhões em apoio ao país, a serem desembolsados no restante deste ano e na metade do ano seguinte, o que nos permite ter um ambiente mais favorável de segurança e solvência”, disse Cueva em entrevista coletiva.

No ano passado, o então presidente equatoriano, Lenín Moreno, fechou um pacote de US$ 6,5 bilhões com o FMI para recuperar uma economia que já estava em crise antes mesmo da pandemia de covid-19.

Cueva disse hoje que está negociando com o FMI a possibilidade de reorientar o programa de auxílio em vigor para alinhá-lo aos objetivos do governo de Guillermo Lasso, que tomou posse como presidente em maio deste ano.

Segundo o ministro, o governo também está preparando uma reforma fiscal. O projeto não afetaria a camada mais pobre do país e buscaria taxar mais pessoas de renda mais alta.

Em nota, o FMI afirmou que os resultados fiscais do Equador estão melhores do que o esperado na época da primeira revisão do acordo com o governo anterior.

“O aumento das receitas, a contenção de custos e os preços do petróleo acima do previsto contribuíram para este resultado”, disse a entidade no comunicado.

Categorias:

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *