Alívio local tem vida curta, e dólar sobe a R$ 5,26

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

10/09/2021

A sensação de alívio após os eventos da semana acabou tendo vida curta no Brasil. Após a queda firme vista na véspera, reagindo ao recuo do presidente Jair Bolsonaro, o dólar comercial voltou a subir, ajudado pela cautela local e também por um exterior menos propício à tomada de risco.

No encerramento do dia, a moeda americana fechou em alta de 0,82%, negociada a R$ 5,2661. Com isso, a moeda americana acumulou valorização de 1,59% na semana.

“O recuo surpreendente de Bolsonaro deu suporte [ontem] a uma melhora significativa dos preços dos ativos, confirmando os impactos relevantes da atual tensão política sobre os mercados”, nota o Citi em relatório. “Para nós, o mais importante agora é monitorar as manifestações contrárias ao governo agendadas para este domingo.”

Além do movimento da oposição, participantes de mercado aguardam também algum sinal de que a agenda econômica pode voltar a andar. Um exemplo disso é a questão dos precatórios, cuja solução via Judiciário estava sendo costurada com a ajuda do presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, mas que parecia haver subido no telhado após as manifestações do 7 de Setembro.

Apesar do clima preponderante ser o de cautela, há quem veja espaço para melhora rapidamente. Para o Mizuho, o teor do comunicado divulgado ontem reforça a visão do de que a chance uma ruptura institucional no país permanece “extremamente baixa”. “Esperamos que a liquidez global ampla e juros domésticos mais altos deem suporte ao real no curto prazo”, diz o banco.

Lá fora, o apetite por risco foi cedendo ao longo do dia. após a presidente do Federal Reserve de Cleveland, Loretta Mester, defender o início da redução do volume de compras do QE antes do fim do ano mesmo diante de números mais fracos do mercado de trabalho, como ficou visível no relatório de emprego da última sexta-feira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *