Xi promete que China deixará de construir usinas a carvão no exterior

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

21/09/2021

O presidente da China, Xi Jinping, anunciou nesta terça-feira que o país planeja deixar de construir novas usinas termoelétricas a carvão no exterior. A promessa foi feita na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em um discurso também usado pelo líder chinês para enviar uma série de recados aos Estados Unidos.

“A China aumentará o apoio a outros países em desenvolvimento para favorecer a energia verde e de baixo carbono, e não construirá novos projetos de energia a carvão no exterior”, disse Xi, sem dar detalhes sobre a medida, em seu discurso em vídeo, transmitido para os líderes globais que estão na sede da ONU, em Nova York.

O novo compromisso climático foi assumido um ano depois de Xi ter anunciado, na própria Assembleia Geral da ONU, que a China atingirá o pico de emissões de carbono antes de 2030 e pretende se tornar neutra em carbono até 2060, promessas reiteradas por ele no discurso desta terça-feira.

As autoridades chinesas estavam sendo pressionadas a assumir compromissos mais ambiciosos antes da próxima Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (CoP26). Mas uma recente viagem do enviado especial para o clima da Casa Branca, John Kerry, à China terminou sem qualquer acordo entre os dois países.

O líder chinês adotou o mesmo tom de urgência usado por representantes de outros países que discursaram na Assembleia Geral nesta terça-feira. Para Xi, o mundo está diante de uma encruzilhada e enfrenta um conjunto de mudanças não vistas há um século.

Xi falou aos líderes globais na ONU depois do discurso do presidente americano, Joe Biden, que anunciou que dobraria a ajuda dos EUA para que países em desenvolvimento possam implementar ações de combate ao aquecimento global.

Em seu discurso, Xi enviou uma série de recados aos americanos, como Biden havia feito mais cedo. O líder chinês disse, por exemplo, que episódios recentes mostraram que intervenções militares externas para a promoção da democracia só causam danos, evitando citar diretamente os EUA e a retirada americana do Afeganistão.

O presidente chinês também disse que o mundo deve “rejeitar a prática de formação de pequenos grupos”, em uma clara referência ao recente acordo militar anunciado por EUA, Austrália e Reino Unido para fornecer ao governo australiano uma frota de submarinos com propulsão nuclear.

“Diferenças e problemas entre os países, dificilmente evitáveis, precisam ser tratados por meio do diálogo e da cooperação, com base na igualdade e no respeito mútuo”, disse Xi. “O mundo é grande o suficiente para acomodar o desenvolvimento e o progresso comum para todos os países.”

Xi defendeu cooperação para que o mundo combata a pandemia de covid-19 e criticou a politização das investigações sobre as origens da covid-19. Ele disse que a China fornecerá 2 bilhões de doses de vacinas contra o vírus ao mundo até o final desse ano e pretende doar outras 100 milhões de doses a países em desenvolvimento.

Categorias:

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *