Venda no varejo caiu em agosto por inflação, renda e base de comparação forte, diz IBGE

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

06/10/2021

A base de comparação elevada em função de altas em meses anteriores, a inflação e o mercado de trabalho ainda sob impacto da pandemia são alguns dos fatores que ajudam a explicar a queda de 3,1% das vendas no varejo, na passagem entre julho e agosto, na avaliação do gerente da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), Cristiano Santos.

  • Leia mais: Venda no varejo tem em agosto primeira queda em 6 meses na comparação anual

O recuo de 3,1% de agosto foi o mais intenso para o mês da série histórica da pesquisa, iniciada em 2000, e o terceiro pior considerando todos os meses.

“Vários elementos em conjunto contribuem para a taxa negativa. O primeiro é a trajetória anterior, que fez com que o patamar do comércio ficasse mais elevado e muito próximo do recorde. A inflação também continua sendo importante para o resultado, isso fica claro quando se compara com a receita. Também chama a atenção o mercado de trabalho. Teve queda na taxa de desocupação, mas maior ainda na renda. E isso tira capacidade de consumo”, afirma Santos.

Em dois setores esse efeito dos preços mais altos se mostra de forma mais expressiva no desempenho: de hipermercados e supermercados e de combustíveis e lubrificantes. As vendas de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo caíram 0,9% em agosto, frente a julho, e acumulam perda de 1,4% em três meses. No caso de combustíveis e lubrificantes, o recuo foi de 2,4% em agosto, após perdas de 0,8% em junho e de 0,7% em julho.

“O cliente está gastando menos em termos reais no supermercado do que gastaria anteriormente. Em alguns produtos, pode ter efeito substituição. Deixa de comprar o arroz e o feijão de uma marca para comprar de outra, pode trocar uma carne por outra. Mas acaba tendo no seu orçamento alguma margem para comprar menos também. O que temos são três meses de queda real na receita das empresas desse setor”, afirma ele.

Categorias:

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *