UE diz que só cooperará com o Afeganistão se Talibã respeitar direitos fundamentais

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

17/08/2021

A União Europeia (UE) afirmou nesta terça-feira (17) que só cooperará com um eventual novo governo do Afeganistão se o Talibã respeitar os direitos fundamentais da população, especialmente os das mulheres. O grupo insurgente também deve impedir o uso do território do país por terroristas.

  • Leia mais: Entenda o que está acontecendo no Afeganistão após a tomada de poder pelo Talibã

A posição europeia foi expressa em um comunicado assinado pelo chefe de política externa da UE, Josep Borrell, após uma reunião de emergência dos chanceleres dos países do bloco para discutir a tomada do Afeganistão pelo Talibã.

  • Leia mais: Talibã promete respeitar direitos das mulheres, mas dentro da lei islâmica

“A cooperação com qualquer futuro governo afegão estará condicionada a um acordo pacífico e inclusivo e ao respeito pelos direitos fundamentais de todos os afegãos, incluindo mulheres, jovens e pessoas pertencentes a minorias, assim como ao respeito às obrigações internacionais do Afeganistão, ao compromisso com a luta contra o terrorismo e à prevenção do uso do território do Afeganistão por organizações terroristas”, afirmou Borrell na nota.

  • Leia mais: Talibã oferece anistia a funcionários do governo do Afeganistão

A UE pediu também a “cessação imediata de toda a violência”, o restabelecimento da segurança e da ordem civil em todo o Afeganistão. O bloco europeu manifestou “profunda preocupação com relatos de violações e abusos dos direitos humanos” em todo o país.

  • Leia mais: Otan culpa líderes afegãos por rápida conquista de Cabul pelo Talibã

O bloco europeu também afirmou que, para enfrentar o agravamento da situação humanitária no Afeganistão, “continuará a prestar assistência com base nas necessidades do povo afegão”. “A UE também apoiará os vizinhos do Afeganistão na luta contra repercussões negativas que são esperadas de um fluxo crescente de refugiados e migrantes”, diz a nota.

  • Leia mais: Drama humanitário aumenta no Afeganistão

  • Leia mais: Biden tem sua pior crise com perda do Afeganistão e caos em Cabul

Categorias:

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.