TIM Brasil: Presidente afirma que avalia de oito a dez parcerias, segundo Goldman Sachs

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

23/09/2021

O mercado subavalia as empresas brasileiras de telecomunicações, disse Pietro Labriola, presidente da TIM Brasil, durante evento realizado pelo Goldman Sachs. O executivo diz considerando as perspectivas para o país, que devem gerar maior crescimento no fluxo de caixa livre, as empresas vão se beneficiar da recuperação econômica e da aceleração na digitalização que o 5G vai trazer.

De acordo com os analistas Diego Aragão, Vitor Tomita e João Dutra, Labriola falou no evento que o crescimento da TIM Brasil será apoiado no foco em clientes dos seus principais negócios; parcerias com empresas inseridas em processo de digitalização; e aumentar sua participação no mercado de fibra.

No mesmo modelo do acordo que fez com o C6 Bank, Labriola diz que a TIM Brasil está avaliando entre oito e dez parceria em diferentes segmentos que podem complementar os negócios da empresa. Ele avalia que, se concluídos, podem trazer de R$ 3 bilhões a R$ 5 bilhões de valor para a TIM nos próximos três a cinco anos.

Leia mais: 5G cria disponibilidade de novos serviços para as empresas, diz presidente da TIM

Sobre o mercado de fibra, o executivo acredita que o Brasil não seguiu o caminho de outros países, com os clientes migrando para a nova tecnologia, o que cria uma oportunidade agora para pequenas empresas entrarem no mercado. Labriola vê que pode ocorrer um movimento de consolidação no segmento, mas acredita que a TIM está bem posicionada neste ambiente competitivo.

Os termos do edital do 5G, que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) deve votar nesta semana, são bons, ponderou o presidente da TIM Brasil. Labriola diz que está satisfeito no balanço entre acelerar a digitalização do Brasil ao mesmo tempo em que não compromete os investimentos das operadoras.

Leia mais: As interferências no 5G brasileiro

“Na opinião de Labriola, esse modelo, que envolve o compromisso das operadoras em montar a rede 5G, é bem-vindo em um cenário onde ainda não se tem clareza sobre como o segmento vai evoluir”, escreve o banco americano. A TIM vai fazer investimentos até 2029 para alcançar a cobertura necessária do 5G, podendo calibrar o capex conforme a demanda.

O Goldman Sachs tem recomendação de compra para TIM Brasil, com preço-alvo em R$ 20, potencial de alta de 62,9% sobre o fechamento de quarta-feira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *