Suspeito de financiar ataques ao STF, presidente da Aprosoja pede à Corte para participar de atos

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

06/09/2021

Alvo de busca e apreensão e de medidas restritivas pelo suposto financiamento da organização de atos contra o Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja), Antonio Galvan, entrou com um pedido de habeas corpus na própria Corte para ser autorizado a participar das manifestações bolsonaristas do 7 de Setembro. O pedido teve o ministro Luís Roberto Barroso sorteado como relator.

Os advogados de Galvan argumentam que as restrições devem ser extintas porque ele “em momento algum proferiu qualquer declaração antidemocrática ou que incitasse violência contra pessoas e instituições, tendo, aliás, se antecipado de forma eficaz ao publicar nota à imprensa, deixando claro que não adere nem apoia, por si ou pela Associação que representa, qualquer ato que ataque as instituições de Estado”.

Além disso, os advogados reclamam de “constrangimento inconstitucional e ilegal” na demora de acesso aos autos do inquérito, que é sigiloso e investiga o financiamento de atos antidemocráticos. Galvan foi alvo de apreensão do celular e, nesta segunda-feira, a Polícia Federal realizou ação de busca e apreensão na Aprosoja.

As diligências foram feitas a pedido da Procuradoria-Geral da República e fazem parte de inquérito que teve como alvos o cantor e ex-deputado Sérgio Reis e o deputado Otoni de Paula (PSC-RJ), em agosto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *