Secretários da Economia queixam-se de engessamento do Orçamento

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

04/10/2021

É preciso abrir espaço para que a avaliação de políticas públicas impacte a elaboração do Orçamento da União, defendeu nesta segunda-feira o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, em painel na 1ª Semana Orçamentária do Tribunal de Contas da União (TCU).

Atualmente, o governo se dedica a executar políticas públicas definidas décadas atrás e não tem espaço para atender a novas demandas da sociedade, afirmou.

Hoje, perto de 90% das despesas do governo federal já são predefinidas, e o que resta tem também sofrido um processo de engessamento, apontou o secretário do Orçamento, Ariosto Culau, no mesmo evento. Ele disse que emendas parlamentares correspondem a 26% das despesas discricionárias do governo, ante 5% em 2014.

Para Culau, a margem que os parlamentares têm para alterar parâmetros do Orçamento “é um ponto que dificulta a credibilidade” da peça, porque é prática rever para baixo despesas obrigatórias, principalmente de Previdência, para acomodar emendas.

Bittencourt sugeriu que o TCU faça uma avaliação do Orçamento após sua aprovação pelo Congresso. Hoje, disse ele, o trabalho é feito sobre a proposta elaborada pelo governo e encaminhada ao Legislativo, e não sobre a peça convertida em lei.

Categorias:

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *