SC inicia campanha para evitar a Peste Suína Africana (PSA)

A doença, que foi erradicada no Brasil em 1980, chegou à República Dominicana

24/09/2021

SC inicia campanha para evitar a Peste Suína Africana (PSA) Maior produtor de carne suína do pais, Santa Catarina começa campanha para evitar a Peste Suína Africana (Foto: Divulgação)

Santa Catarina é o maior produtor e exportador de carne suína do país. A China, maior consumidor mundial dessa proteína, sempre foi autossuficiente e tinha o maior rebanho do mundo. Desde 2015 a Peste Suína obrigou o governo chinês a eliminar quase todo o rebanho e apenas 5 anos depois ele começa a voltar ao que era há seis anos. Ela não faz mal ao ser humano, mas aniquila os rebanhos.

Após o alerta, o governo de Santa Catarina se voltou para a prevenção da doença desde as informações dos primeiros focos no continente. Um problema fitossanitário na pecuária suína pode levar o estado a uma grave crise.

O secretário de Estado da Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural, Altair Silva, o presidente da Companhia de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) Plinio de Castro e o gerente executivo do Sindicarne, Jorge Luiz de Lima estiveram com o governador do estado Carlos Moisés.

Cauteloso, mais atento, o governador tem dito que a hora é de atenção e que o Brasil não tem notificação da doença no território desde a década de 1980.

A Peste Suína é uma preocupação constante. Embora tenha chegado na República Dominicana, ela ainda não foi erradicada em outros 50 países. Os casos na República Dominicana e notificações no Haiti (dividem a mesma ilha) são os primeiros notificados nas Américas em 30 anos

Nota da Secretaria de Comunicação (Secom) o governador diz que “estamos atentos a essa situação. Santa Catarina possui um status sanitário diferenciado e precisamos lutar para mantê-lo. Nossa economia depende fortemente do agronegócio, portanto estamos intensificando os trabalhos a fim de evitar que a doença retorne e traga prejuízos financeiros ao nosso estado”.

O primeiro passo será uma campanha educativa e didática entre governo e iniciativa privada. Nela, deverá ser explicada a forma de transmissão da doença. O vírus que provoca a doença se desenvolve na alimentação, dizima rebanhos e é altamente transmissível. Para a Organização Mundial de Saúde Animal é a doença mais perigosa e letal para a criação de suínos em todo o mundo.

O secretário Altair Silva, também em nota, explica que “nossos esforços estão voltados para manter a saúde de nossos rebanhos. Vivemos um período delicado e precisamos da colaboração de todos os catarinenses. Temos certeza de que juntos conseguiremos proteger Santa Catarina e manteremos nossa missão de produzir alimentos de qualidade”.

A pecuária suína é a maior fatia da economia do estado. São quase 70% de toda exportação e por mais de 30% do PIB estadual. Emprega 60 mil pessoas de forma direta e outras 55 mil famílias no campo. A carne do estado chega 150 países. Atua nos mercados mais exigentes e competitivos. O Estado tem motivo para preocupação.

 

Da Redação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *