Preço da arroba do boi vai continuar caindo até o final do mês de maio, diz consultor

O ponto de virada será entre os meses de junho e julho, com o fim da safra.

20/05/2022

Preço da arroba do boi vai continuar caindo até o final do mês de maio, diz consultor Valor da arroba do boi terá queda até o fim do mês. (Foto: Pixabay)

O mercado do boi vai continuar perdendo preço até o final de maio e deve ter um ponto de virada apenas entre os meses de junho e julho, segundo o consultor Fernando Henrique Iglesias do Safras & Mercado. Essa pressão de baixa se amplia nesse momento de frio. Os pecuaristas já estavam com dificuldade para manter seus rebanhos retidos nas pastagens e, com a frente fria, a situação ficou ainda mais delicada. 

Iglesias relata que, em algumas praças, o preço da arroba chegou a perder entre R$4 e R$5 na semana. No mercado doméstico os negócios estão sendo feitos com preços muito baixos. Em São Paulo, a arroba está sendo comercializada entre R$290 e R$300. 

Mas praças como a de Goiás tem preços na média de R$285, no Mato Grosso a R$280 ou até menos e no Mato Grosso do Sul e em Minas os negócios estão na faixa de R$285, a arroba. O boi China, padrão exportação, também sofreu pressão de baixa e é comercializado entre R$310 e R$320 a arroba. 

O cenário permite que os frigoríficos fiquem confortáveis, com escalas de abate alongadas, principalmente porque ainda existe excesso de demanda de animais no final da safra. Ele lembra, no entanto, que nesse período do ano esse cenário é recorrente e se repete.

Fernando pontuou, durante a conversa, que algumas regiões com grandes plantas exportadoras para a China e embargadas geram problemas. O gado fica retido por falta de abate e interfere nas cotações. Cita Goiás e Mato Grosso, como exemplo.

Ele lembra que o boi tipo exportação tem um custo de produção acima da média. Se o preço cair muito e a margem de lucro desaparecer, esse criador terá problemas. “Interfere na receita do pecuarista”, afirma.

Adianta que as suspensões chinesas não vão interferir muito na relação comercial de carne bovina brasileira para a China. Explica que os preços da carne bovina são muito altos no mercado internacional.

A China não tem para onde correr. Relata que os preços nos Estados Unidos e na Austrália são quase o dobro da carne brasileira. União Europeia, Argentina e Uruguai também não conseguem concorrer com o preço da carne brasileira.

Com o fim do lockdown nos grandes centros daquele país e a volta dos negócios, a China levantará os embargos e manterá as compras no Brasil. Lembra que, mesmo diante de todo esse cenário, a China compra quase metade da carne que o Brasil exporta e que as receitas são gigantescas. “No mercado de carne bovina, a relação da China com o Brasil é de interdependência”, diz.

Iglesias também acredita que o real vai continuar se desvalorizando frente ao dólar, o que dará ainda mais fôlego para os frigoríficos exportadores e vai aumentar ainda mais o fosso que existe para quem exporta e para quem atende ao mercado interno.

No mercado interno, o poder de compra está empurrando o brasileiro cada vez mais para outras proteínas como o frango e o ovo. Com o fim da safra, o começo da entressafra e a engorda em confinamentos, os preços devem mudar a partir de junho e julho. “O preço do boi só não cresce no Brasil porque o mercado interno não tem condições de consumir”, crê.

 

Da Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.