PF prende bolsonarista que disse que empresário pagaria “pela cabeça” de Alexandre de Moraes

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

06/09/2021

A Polícia Federal (PF) prendeu no domingo um apoiador do presidente Jair Bolsonaro que afirmou, nas redes sociais, que um “empresário grande” estaria oferecendo dinheiro pela cabeça do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes “vivo ou morto”. A informação foi confirmada com fontes da corporação. O STF não se manifestou.

A prisão ocorreu no âmbito no inquérito conduzido que investiga a possível organização de atos violentos e antidemocráticos no 7 de Setembro, quando estão marcadas manifestações a favor de Bolsonaro. Moraes tem determinado outras ações contra supostos abusos por parte de bolsonaristas.

O militante preso no domingo é Márcio Giovani Nigue, apelidado de “professor Marcinho”. Em transmissão ao vivo no TikTok, ele disse que foi criado um “grupamento” para “caçar” ministros do STF “em qualquer lugar que eles estejam”. Também afirmou que a cabeça de Moraes estava a prêmio pelo tal empresário, cuja identidade não revelaria “nem sob tortura”.

“Agora, no Brasil, com ministro do Supremo, vai ser assim; vai ter prêmio pela cabeça deles”, afirmou. Na mesma transmissão no TikTok, ele também disse ter ameaçado um vereador de sua cidade de quebrá-lo “todinho, deixar todos os ossos do corpo quebrados”, e que o grupo que caçaria ministros do STF também iria atrás de integrantes do Congresso Nacional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *