Petróleo avança com retomada lenta da produção no Golfo do México

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

08/09/2021

O petróleo encerrou a sessão desta quarta-feira (8) em alta ante a uma retomada bastante lenta da produção do Golfo do México, que foi interrompida devido ao furacão Ida. Também impactaram os preços dos contratos os protestos em terminais petrolíferos na Líbia.

Os preços dos contratos para novembro do Brent, a referência global, encerraram a sessão desta quarta em alta de 1,27%, a US$ 72,60 o barril, na ICE, em Londres, enquanto os preços dos contratos para outubro do WTI, a referência global, avançaram 1,39%, a US$ 69,30 o barril, na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex).

O avanço da commodity ocorreu em meio à retomada lenta da produção petrolífera no golfo do México. O trabalho na região foi interrompido na semana passada devido à chegada do furacão Ida. Segundo estimativa do Departamento de Segurança e Fiscalização Ambiental dos EUA (BSEE, na sigla em inglês), 79,3% da atual produção da região ainda está paralisada.

Com a retomada ainda lenta, a atenção dos investidores se volta, agora, para os dados semanais do Instituto Americano de Petróleo (API, na sigla em inglês) de estoque da commodity, que devem ser divulgados na noite desta quarta-feira. Também estão no horizonte dos investidores os dados do Departamento de Energia (DoE), que devem ser divulgados na quinta-feira (9).

Estimativas de dez analistas e traders ouvidos pelo “Wall street Journal” mostraram que os estoques de petróleo dos EUA devem ter caído 2,5 milhões de barris na semana passada, com sete analistas prevendo uma queda e três esperando um aumento. As previsões vão de um declínio de 11 milhões de barris a um aumento de 4 milhões de barris.

Outra razão para a alta do petróleo nesta quarta são os protestos em terminais petrolíferos na Líbia. Segundo informações da S&P Global, manifestantes estão exigindo a remoção do presidente da estatal National Oil Corp, Mustafa Sanalla, com o apoio da Guarda de Instalações Petrolíferas. O movimento já teria causado alguns atrasos no local.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *