Americanos pedem a suspensão das compras de carne bovina brasileira

As entidades dizem que o Brasil não tem o controle necessário para controlar a EEB, doença da Vaca Louca

19/11/2021

Americanos pedem a suspensão das compras de carne bovina brasileira Desemprego cai 1,6%, segundo o IBGE (Foto: Piabay)

Duas associações norte americanas que representam os pecuaristas dos Estados Unidos querem seguir a China e suspender as importações de carne brasileira. A NCBA e a R-Calf mandaram correspondência do secretário da Agricultura, Tom Vilsack alegando que a suspensão é necessária porque o Brasil não reporta com a urgência necessária à Organização Mundial de Saúde Animal casos de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), conhecida como doença da Vaca Louca, segundo o site especializado CarneTec.

É um grande problema para o Brasil. Primeiro, porque os Estados Unidos são o segundo maior comprador de carne bovina brasileira e o segundo é que o produto brasileiro vem ganhando cada dia mais o gosto dos americanos. Dados da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) mostram que entre janeiro a outubro e 2021 o Brasil exportou 95,7 mil toneladas para o mercado americano, com registro de alta de 96,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

Ainda em setembro, assim que os casos foram conhecidos, o Brasil reportou a presença da doença em dois animais à Organização Mundial de Saúde Animal da Organização das Nações Unidas (ONU). Dias depois da informação, a Organização encerrou o caso sem mudar o status sanitário brasileiro e que o risco era “insignificante”.

Uma das organizações representantes de pecuaristas pede que o governo norte-americano suspenda das importações para reavaliar os processos que o governo brasileiro usa para detectar doenças e todas as ameaças. Em outro ponto, pede que o Departamento de Agricultura dos estados Unidos (USDA) faça um diagnóstico dos laboratórios veterinários do Brasil.

Intransigente, Ethan Lane, vice-presidente de Assuntos Governamentais na NCBA, disse que “é hora de manter a carne bovina in natura brasileira fora deste país até que o USDA possa confirmar que o Brasil atende aos mesmos padrões de consumo e segurança alimentar que aplicamos a todos os nossos parceiros comerciais”.

Segundo o CarneTec, a R-Calf “pede a suspensão de toda a importação de carne bovina brasileira, incluindo produtos in natura e processados, que tenham sido potencialmente contaminados. A entidade defende que essa suspensão mais ampla é necessária porque processos de aquecimento da carne bovina não são capazes de inativar o príon da doença EEB”.

Da Redação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *