Países da Ásia reforçam e prolongam lockdowns para conter variante delta

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

20/08/2021

Vários países da Ásia anunciaram nesta sexta-feira medidas mais duras para conter surtos de covid-19 causados pela variante delta, que está se espalhando com rapidez por toda a região. Vietnã, Austrália e Nova Zelândia, que na primeira fase da pandemia foram vistos como exemplo de sucesso na contenção do vírus, agora lutam para impedir a propagação da cepa mais transmissível.

  • Leia: Variante delta: Sintomas, eficácia da vacina e o que mais se sabe sobre a mutação do coronavírus

Sydney anunciou nesta sexta-feira que prorrogará o “lockdown” decretado no fim de julho até 30 de setembro. Nos subúrbios da principal cidade da Austrália, área mais afetada pelo surto causado pela delta, haverá toque de recolher entre 21h e 5h. Máscaras serão obrigatórias em todo o Estado de Nova Gales do Sul, epicentro da crise no país.

Melbourne e Camberra, as outras duas maiores cidades da Austrália, também estão sob restrições por causa do surto iniciado em Sydney. Além dessas medidas, as autoridades tentam acelerar a campanha de vacinação, mais lenta do que em outros países desenvolvidos.

Na vizinha Nova Zelândia, a primeira-ministra Jacinda Ardern estendeu até a próxima terça-feira o estrito “lockdown” decretado após o registro do 1º caso de covid-19 em seis meses nesta semana. A variante delta chegou ao país pela Austrália, segundo os testes genômicos, que mostram similaridades com o vírus detectado em Sydney.

A prorrogação foi anunciada hoje após o surto, detectado inicialmente em Auckland, ter se disseminado até Wellington, a capital do país. Na segunda-feira, as autoridades da Nova Zelândia vão se reunir para decidir se o “lockdown” continuará em vigor por mais tempo.

O Vietnã foi o último país asiático a decretar um rígido “lockdown” por causa da variante delta. Moradores da cidade de Ho Chi Mihn, a maior do país, serão agora proibidos de deixar suas casas. As autoridades fornecerão a eles os itens básicos necessários, como alimentação, enquanto a medida durar, de acordo com um aviso no site oficial do governo.

Dados divulgados hoje pelo Ministério da Saúde do país mostram que mais de 40% dos 4.425 casos confirmados no Vietnã foram diagnosticados em Ho Chi Mihn. A cidade registrou quase 165 mil casos desde 27 de abril, quando a quarta onda de casos começou, quebrando uma sequência de meses de infecções praticamente zeradas.

As autoridades também tentam a acelerar a vacinação, mas, diferentemente da Austrália, o Vietnã está enfrentando grande dificuldade para conseguir os imunizantes. Até ontem, apenas 1,5 milhão dos 96,5 milhões de habitantes do país haviam sido totalmente vacinados contra o vírus, segundo dados oficiais.

A Coreia do Sul voltou a registrar hoje mais de 2 mil casos de covid-19, número próximo ao recorde diário do país. As autoridades também decidiram manter cidades como Seul, Busan e Daejeon no segundo nível mais alto de restrições para conter o vírus, abaixo apenas do “lockdown”.

As regras proíbem reuniões sociais de três pessoas ou mais depois das 18h, além de determinar o fechamento de boates e igrejas. O Ministério da Saúde também decidiu hoje reduzir o horário de funcionamento de cafés e restaurantes em 1h, até no máximo 21h.

No início desta semana, o Japão prorrogou a duração do estado de emergência decretado por causa da disseminação da variante delta até 12 de setembro e incluiu mais sete províncias na medida, que recomenda que restaurantes e bares limitem seu horário de funcionamento.

Mais de 25 mil casos foram registrados no país na quinta-feira, um recorde desde o início da pandemia. As autoridades estão preocupadas com a lotação de hospitais, principalmente em Tóquio, que na semana que vem recebe os Jogos Paralímpicos.

Categorias:

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *