Oferta de milho em MT deve ser de 40,57 milhões de t na safra 2021/22, diz Imea

27/04/2022

São Paulo, 19 – O Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) divulgou sua estimativa de oferta e demanda de milho em Mato Grosso referente à safra 2021/22. Em boletim, o Imea informou que a estimativa de oferta no Estado foi reajustada para 40,57 milhões de toneladas, avanço de 24,56% em relação ao ciclo 2020/21. “A alta está em acordo com a estimativa de produção, que foi ampliada para 40,56 milhões de toneladas, dado ao aumento da área e boas perspectivas quanto ao desenvolvimento produtivo da safra”, cita o instituto.

Também foram revisados os números relativos ao consumo interno de milho no Estado, para 11,92 milhões de toneladas, recuo de 1,22% ante a estimativa anterior, “decorrente do ajuste nas estimativas de compras de milho de algumas usinas no Estado”, diz o Imea.

Em relação à demanda de outros Estados, esta deve alcançar 3,42 milhões de toneladas, acréscimo de 1,81% ante o relatório anterior, “pautado pela redução nas estimativas iniciais da produção da primeira safra do cereal no Sul do País”.

Quanto às exportações de milho mato-grossenses, o Imea projetou embarques de 24,73 milhões de toneladas, ajuste 4,14% superior em relação à estimativa anterior. As exportações devem ser, ainda, 61,8% maiores em relação à safra passada, em razão da menor oferta global, sobretudo pela quebra da safra sul-americana e incertezas quanto à safra da Ucrânia, diz o instituto.

Já em relação à safra passada, referente ao ciclo 2020/21, o Imea manteve suas estimativas de oferta em 32,57 milhões de toneladas, “uma vez que a produção foi consolidada em 32,56 milhões de toneladas”. “Frente à temporada anterior, essa estimativa representa uma queda de 8,16%, em reflexo das intempéries climáticas durante o desenvolvimento do cereal nas lavouras”, cita o boletim desta segunda-feira.

Quanto ao consumo total do milho produzido no Estado, estima-se, para a safra 2020/21, queda de 8,17% frente à safra anterior, o que corresponde a 32,57 milhões de toneladas. Dentro disso, o consumo em Mato Grosso foi reajustado negativamente pelo Imea e ficou previsto em 11,36 milhões de toneladas, “dada a perspectiva de menor consumo para ração, uma vez que o aumento nos custos de produção dessas culturas no Estado tem limitado a ampliação da produção”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.