Número de mortes por covid-19 em 2020 é 18,2% superior ao oficial, afirma Fiocruz

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

25/08/2021

O número real de mortes por covid-19 no ano passado no Brasil é 18,2% maior do que o oficialmente registrado, conclui um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que aponta atrasos nos registros e reclassificações das causas de óbito. O levantamento afirma que a doença provocou 230.452 mortes em 2020, não 194.949.

Os pesquisadores apuraram ainda que, naquele ano, houve maior concentração de mortos por covid-19 entre trabalhadores essenciais e idoso – três de cada quatro mortes foram de pessoas acima de 60 anos.

No informe da Fiocruz sobre o tema, o coordenador do estudo, Cristiano Boccolini, explicou que os dados divulgados anteriormente pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde não estavam errados.

O que ocorreu é que há discrepância entre os números reais e oficialmente registrados causa por dois fatores: atrasos nos registros e reclassificações das causas de morte decorrentes da investigações nas esferas municipal, estadual e federal.

Com passar do tempo, os dados foram sendo revisados por pesquisadores da Fiocruz, numa análise mais precisa do que ocorreu em 2020. Os números mais atualizados sobre o tema estão acessíveis desde maio deste ano e foram trabalhados pelos especialistas desde então.

Boccolini pontuou que os dados do SIM são uma ótima base de informação, mas têm com um longo tempo de processamento. “Em média, são 27 dias entre a data do óbito e sua consolidação no sistema nacional, e essa demora pode chegar a 190 dias. Por isso, só conseguimos ter um cenário completo de 2020 agora em 2021”, informou o pesquisador.

“Estamos olhando para esse cenário com atenção e encontrando informações muito importantes. Esperamos que as conclusões possam contribuir com políticas públicas para o enfrentamento da pandemia”, concluiu.

A pesquisa também levantou quais profissões tiveram mais registros de óbitos por covid-19. Em 2020, foram dos setores de produção de bens e serviços industriais (22%), o comércio (19%) e a agropecuária, que inclui atividades florestais e a pesca (18%). Os médicos, por sua vez, somaram 2% do total de mortes por covid-19 em 2020.

Boccolini fez uma ressalva: esses resultados representam uma base de dados pesquisados em que 58,7% das declarações de óbito não registraram o tipo de ocupação. Entretanto, no entendimento do pesquisador, já é possível tirar conclusões.

“Percebemos que as categorias profissionais mais afetadas são os chamados serviços essenciais, trabalhadores que não podem parar, aderir ao home office e manter o isolamento social, o que escancara o peso das desigualdades sociais no cenário da covid-19”, aponta.

O estudo faz também um recorte por idade nos registros de óbitos. No ano passado, ocorreram 1.207 mortes de brasileiros menores de 18 anos por covid-19. Quase metade (45%) tinha até dois anos de idade; um terço, até um ano; e 9% eram recém-nascidos (110 bebês com menos de 28 dias de vida).

No caso dos idosos, a Fiocruz apurou que, no ano passado, três em cada quatro óbitos por covid-19 ocorreram em pessoas com mais de 60 anos de idade (175.471 idosos).

Nesse grupo, a faixa etária mais afetada foi a de 70 a 79 anos, que concentrou 33% dos óbitos de idosos por covid-19 em 2020. O estudo aponta que, do total de idosos mortos pela doença em 2020, 29% tinham entre 60 e 69 anos; 27%, de 80 a 89 anos; e 11%, mais de 90 anos.

Os resultados do estudo, financiado pelo Programa Fiocruz de Fomento à Inovação (Inova Fiocruz), serão publicados no painel Monitora Covid-19 da Fiocruz, informou a fundação.

Categorias:

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *