MPF denuncia dono do canal no YouTube Terça Livre por ameaças a ministro do STF

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

18/08/2021

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou o blogueiro Allan dos Santos, dono do Terça Livre, por ameaça e incitação ao crime contra o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo a denúncia, Allan utilizou o seu canal no YouTube para desafiar o magistrado a enfrentá-lo pessoalmente. Para o MPF, o caso superou os limites do razoável na livre expressão de pensamento e opinião, pois houve a intenção de intimidar o ministro, que preside o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

  • Leia mais: TSE ‘segue o dinheiro’ para desmobilizar redes

O crime aconteceu em 24 de novembro do ano passado. No vídeo intitulado “Barroso é um miliciano digital”, Allan profere palavras de ódio e de baixo calão contra o magistrado.

  • Leia mais: Moraes abre outro inquérito sobre ataques à democracia

Ao tomar conhecimento dos fatos, o próprio Barroso encaminhou representação ao MPF, solicitando a adoção de medidas cabíveis.

  • Leia mais: Diálogos de inquérito da Polícia Federal mostram que Secom privilegiou ‘mídia aliada’

“Foi identificado um comportamento habitual e intencional do denunciado em proferir ameaças contra ministros do STF”, disse o órgão.

  • Leia mais: Ex-Secom planejou setor de ‘contrainformação’ com blogueiro bolsonarista

Segundo a denúncia, a conduta do blogueiro não está inserida em um contexto isolado, mas denota “parte de uma campanha intencional e extensiva do denunciado para disseminar ódio contra os magistrados da Suprema Corte”.

Em nota à imprensa, Allan dos Santos afirmou que não teve a intenção de ameaçar Barroso e disse que fez uma crítica ao fato de o ministro usar o termo “milícias digitais” para não chamar as pessoas de “terroristas” e ser processado. “Em momento algum o jornalista fez qualquer ameaça ao ministro, o que foi tratado no programa foi o potencial dano à honra das pessoas da internet pelos termos empregados pelo ministro e eventual responsabilização legal do ministro na justiça (‘para não sofrer uma ação’) por qualquer pessoa da internet que tenha se sentido ofendida.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *