Moraes determina que ex-estagiária de Lewandowski seja ouvida pela PF

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

06/10/2021

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que Tatiana Garcia Bressan, que foi estagiária do gabinete do ministro Ricardo Lewandowski, seja ouvida pela Polícia Federal (PF).

Segundo informações da PF obtidas por meio de quebras de sigilo, o blogueiro Allan dos Santos tentava utilizá-la como informante. Ambos foram colegas em um curso de Olavo de Carvalho, que se tornou um guru da extrema direita brasileira.

Santos é investigado no chamado inquérito das “fake news” e na investigação que apura o financiamento de ações digitais e atos antidemocráticos em favor do presidente Jair Bolsonaro, ambos relatados por Moraes.

A informação de que o blogueiro e a estagiária de Lewandowski mantinham contato foi revelada pelo jornal “Folha de S.Paulo”. Em uma conversa, Santos pede que a ex-colega seja sua informante. “Será uma honra”, ela responde.

Tatiana trabalhou com Lewandowski entre julho de 2017 e janeiro de 2019, ou seja, antes da abertura dos inquéritos que apuram o envolvimento do blogueiro em milícias digitais. Ela, no entanto, não tinha acesso às decisões.

Segundo os diálogos publicados pela Folha, ela chegou a afirmar a Santos, sem provas, que algumas decisões eram modificadas “porque alguém importante ligava para o ministro”.

À “Folha”, o gabinete de Lewandowski disse que todas as suas decisões “têm fundamentação constitucional e a eventual modificação delas ocorre por meio de recursos cabíveis”, julgados individual ou coletivamente pelo STF.

A nota confirma que a estagiária trabalhou no gabinete, mas afirma que a seleção “ocorre sob supervisão da Secretaria de Recursos Humanos do tribunal, por meio de oferta de vagas na plataforma do CIEE”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *