Ministra anuncia que Canadá reabre mercado para as carnes bovina e suína brasileiras

As negociações para a importação de mais fertilizantes daquele país aconteceram nesta segunda-feira (14)

15/03/2022

Ministra anuncia que Canadá reabre mercado para as carnes bovina e suína brasileiras Brasil abateu mais de 6,96 milhões de cabeças de bovinos no primeiro tri de 2022. (Foto: Divulgação)

O Canadá voltou a abrir o seu mercado para as carnes bovina e suína brasileiras, informa a ministra Tereza Cristina, que está no país para negociar o aumento da importação do volume de potássio para fertilizantes.

Ela disse ao sair do encontro que os frigoríficos brasileiros têm abertos mais de 200 mercados externos para nossas carnes. Segundo disse, este foi seu objetivo quando assumiu o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), há três anos.

Ela disse que “estamos em Ottawa e acabamos de sair do ministério da agricultura canadense com duas ótimas notícias: a abertura do mercado de carne suína e bovina para este país”.

A direção da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) diz que num primeiro momento as exportações de carne suína estão autorizadas nos frigoríficos de Santa Catarina que estão sob inspeção federal. Quando eles solicitaram autorização para a venda àquele mercado, o estado tinha sido reconhecido como livre de febre aftosa. Exigência do Canadá.

A ABPA informa que “as negociações seguirão em curso para a inclusão, no futuro, de novas áreas já reconhecidas com o mesmo status pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE)”.

O estado de Santa Catarina é responsável por 50% das exportações de carne suína pelo Brasil. O Canadá é um mercado importante, segundo a entidade. “Lá, o setor produtivo deverá atuar em complementaridade à produção local, com oferta de produtos premium”.

Fertilizantes

Nesta segunda-feira (14) a ministra Tereza Cristina realizou várias reuniões. O Brasil é o quarto maior consumidor de fertilizantes do mundo e o maior importador mundial. Após o início da guerra da Rússia e Ucrânia, busca novos mercados exportadores.

Tereza Cristina não informou o resultado das conversas. O Brasil importa 85% do fertilizante que consome no agronegócio brasileiro. Quando o assunto e potássio, a situação é mais crítica. Importamos 95%.

Da Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.