Milho custa o dobro do que há dois anos e preocupa criadores de suínos e aves

A informação é do Centro de Estudos Avançados em Economia Agrícola (Cepea)

11/04/2022

Milho custa o dobro do que há dois anos e preocupa criadores de suínos e aves Colheita da safra não impede alta no preço do milho. (Foto: Guilherme Viana - Embrapa)

Com a guerra entre a Rússia e a Ucrânia, os produtores de suínos e ovos estão preocupados com o aumento dos custos de produção. Antes da guerra, eles já estavam em dificuldade com a pandemia de Covid 19, com os preços das commodities. Assim que a guerra começou, a preocupação ficou maior. A Ucrânia e Rússia são, respectivamente, o quarto e o sexo maiores exportadores de milho no mercado internacional.

A partir do início do conflito o preço da saca chegou a R$ 99,69, duas vezes o preço praticado há dois anos atrás. O setor tinha visto esse valor em maio de 2021. Nesse momento, há indicação que os preços vão se estabilizar.

De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) o preço médio da saca está em R$ 92,22. O Cepea é ligado à Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Cepea-Esalq/USP).

A boa notícia para o setor é a desvalorização do dólar frente ao real e a informação de que a segunda safra de milho no Brasil será boa, reduzindo desta forma, a pressão sobre a cotação.

O Brasil, como o terceiro maior exportador de milho, vai ter uma f=oferta 46% na segunda safra de 2022. A estimativa é da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Os números do governo americano apontam que a Ucrânia vai exportar 23% menos em 2022. O impacto é grande no mercado internacional do milho. Ainda assim, existia a expectativa que as exportações caíssem ainda mais.

Mesmo com os cenários que se desenham, não existe expectativa de grandes quedas nas cotações. Produtores de suínos e de aves e ovos vão continuar pressionados. Os negócios no Mercado Futuro estão entre R$ 86 e R$ 87 até dezembro.

Ricardo Santin, presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), acredita que eles vão se manter nesse patamar até o começo de 2023.

O cenário fica ainda mais incerto porque não se sabe se os ucranianos vão conseguir semear a próxima safra. O alerta é o pesquisador Lucilio Alves, do Cepea-Esalq/USP, deu a informação ao Estado de S. Paulo, reproduzido pelo MoneyTimes. “A guerra prejudica o fornecimento de sementes, combustível, fertilizantes, além da comercialização. Boa parte da produção era escoada via Mar Negro, o que fica complicado agora. Isso tudo ainda pode mexer nos preços”.

Da Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.