Mapa e Esalq/USP firmam acordo para aprimorar ações de defesa agropecuária

A cooperação visa apoiar a prestação de serviços e as ações de fiscalização da defesa agropecuária por meio do desenvolvimento de soluções tecnológicas.

10/09/2021

Mapa e Esalq/USP firmam acordo para aprimorar ações de defesa agropecuária Arroba do boi gordo perde 4,5% do valor em setembro, aponta Cepea (Foto: Agência Brasil)

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio da Secretaria de Defesa Agropecuária, e a Universidade de São Paulo (USP), representada pela Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq), assinaram termo de cooperação técnica que tem como objetivo a geração de inteligência, conhecimentos e inovação para o aprimoramento das ações da defesa agropecuária brasileira, informou o Mapa em nota na quarta-feira (08).

“A modernização e a melhoria na prestação dos serviços de defesa agropecuária deve ser uma busca permanente, impulsionada pelas demandas do setor e da sociedade, para oferecermos serviços e fiscalizações com a qualidade adequada”, disse na nota o secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, José Guilherme Leal.

A cooperação visa apoiar a prestação de serviços e as ações de fiscalização da defesa agropecuária por meio do desenvolvimento de soluções tecnológicas que permitam a adoção de inovações e a modernização das atividades, a realização de estudos e pesquisas, e a geração de índices, indicadores e modelos preditivos que ofereçam suporte técnico para o aprimoramento de suas ações.

Está previsto também o intercâmbio de servidores públicos, funcionários e pesquisadores associados para ações específicas e a realização de capacitação e troca de pesquisa e de ensino.

Segundo o Mapa, os serviços de defesa agropecuária são amplos e incidem sobre todo o setor. “Com isso, espera-se que as soluções tecnológicas apresentadas, a partir deste acordo de cooperação, sejam inovadoras e permitam a modernização das atividades de regulação normativa, prestação de serviços e fiscalização, beneficiando a agropecuária brasileira.”

O Acordo de Cooperação Técnica firmado entre as instituições tem o prazo de cinco anos para execução das atividades previstas no Plano de Trabalho, podendo ser prorrogado, mediante a celebração de aditivo, finalizou o ministério.

Fonte: CarneTec Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *