Inflação de ‘porta de fábrica’ bate recorde no ano até julho e sobe 1,94% no mês

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

27/08/2021

A chamada inflação de “porta de fábrica”, sem impostos e fretes, teve alta de 1,94% em julho, frente a junho, segundo o Índice de Preços ao Produtor (IPP), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em junho, os preços tinham subido 1,29% frente ao mês anterior (dado revisado), após alta de 0,99% em maio.

O acumulado do ano atingiu 21,39% e foi o maior da série histórica para o período de janeiro a julho. Em apenas sete meses, o resultado de 2021 já supera o ano completo de 2020 (19,38%). No resultado acumulado em 12 meses até julho, a alta foi de 35,08%. Até junho, o número chegou a 36,78%. O acumulado em 12 meses (35,08%) está entre os quatro maiores da série, iniciada em dezembro de 2014.

Vinte das 24 atividades acompanhadas pelo IPP tiveram alta de preços em julho. O IPP da indústria é formado por dois índices: o da indústria de transformação e o da indústria extrativa. A taxa na indústria de transformação ficou em 1,81% em julho, ante 0,74% em junho (dado revisado de 0,76%). Já o IPP da indústria extrativa foi de 3,61% em julho, ante 8,71% em junho.

Em julho de 2021, a maior influência para a alta do IPP veio de alimentos, com aumento de 2,09% e impacto de 0,49 ponto percentual da taxa de 1,94%. As quatro maiores variações no mês foram nas atividades metalurgia (3,68%), indústrias extrativas (3,61%), vestuário (3,45%) e refino de petróleo e produtos de álcool (3,26%).

Categorias:

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *