Mercado do boi deve se estabilizar a partir da segunda quinzena de abril

Ricardo Viacava, CEO do Nelore Mocho, diz que em 2022 os preços devem se estabilizar

01/04/2022

Mercado do boi deve se estabilizar a partir da segunda quinzena de abril Mercado do boi deve se estabilizar a partir de abril (Foto: Agência Brasil)

O pecuarista e CEO da CV Nelore Mocho, Ricardo Viacava, em entrevista ao Boletim de Mercado, do Notícias Agrícolas, prevê estabilização no mercado do boi a partir do mês de abril. Desde a semana passada a pressão de baixa começou a se arrefecer.

As maiores pressões foram em março, após recordes de exortação em fevereiro, com crescimento de até 30% e o boi China, padrão exportação, chegando R$ 350, mas atualmente na casa de R$ 330,00 a arroba e as vacas a R$ 275,00.

Argumenta que essa pressão se deu pela queda de mais de 10% do dólar frente ao real, e pelo excesso de matrizes à disposição do mercado. As vacas que não emprenharam são colocadas à venda, aumentando a oferta e pressionando os preços.

O mercado atacadista também indica melhora, com aumento de até 20% nos preços. Diante do cenário, ele prevê estabilidade. Só vai ocorrer alguma oscilação diante da relação entre dólar e o real, a guerra na Ucrânia e o ano eleitoral, diz.

Na primeira quinzena do mês de abril, ele enxerga alguma volatilidade, mas a partir da segunda quinzena a situação volta à normalidade. Pequenas oscilações podem acontecer por causa do preço da arroba do boi. E não as fêmeas.

Outro fator que pode provocar essa pequena volatilidade é o boi a pasto, com forte oferta nesse período. As chuvas deste ano ajudam nas pastagens e, em caso de pressão de baixa, o pecuarista tem como segurar o animal mais uns 40 dias. “O que assusta é a possibilidade de geadas”, diz.

O pecuarista disse ainda não ver grandes motivos para se preocupar. Acredita que os preços vão melhorar e que é momentâneo o diferencial entre machos e fêmeas.

O mercado de reposição também melhorou muito. O peço do quilo do bezerro tem um diferencial de 25% em relação ao boi terminado. Isso permite melhores lucros para o produtor terminador. No começo do ano o diferencial era de 40%, o que impedia a compra e prejudicava o rendimento do boi terminado.

Hoje é o momento certo para o criador repor o seu rebanho.

Ricardo Viacava vê dificuldade para a criação em confinamento. Lembra que o preço dos insumos como milho e soja estão elevados e pode dificultar para essa modalidade de terminar o boi. Pecuarista que cria em confinamento terá que trabalhar bem para garantir rentabilidade.

Da Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.