Comissão rejeita, por 31 votos a 15, retirar reforma administrativa da pauta

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

23/09/2021

A comissão especial da Câmara dos Deputados rejeitou nesta quinta-feira (23), por 31 votos a 15, requerimento da oposição para retirar de pauta a reforma administrativa. O placar foi alcançado após os partidos governistas substituírem parlamentares que eram contrários à proposta por outros favoráveis e indica a aprovação do texto principal.

  • Leia mais: Comissão da reforma administrativa é iniciada após relator protocolar novo parecer

Manobra

Ontem, após requerimento com o mesmo objetivo ser rejeitado por apenas três votos, 22 a 19, os partidos governistas promoveram trocas. Os dois representantes do PL, ligados às polícias militares, foram substituídos por outros parlamentares do partido. Os deputados Geninho Zuliani (DEM-SP) e Neucimar Fraga (PSD-ES) foram transferidos para suplentes.

Numa situação inusitada, o partido Novo, que tem oito deputados, ficou com quatro titulares na comissão. Lucas Gonzalez (Novo-MG), Marcel van Hattem (Novo-RS) e Paulo Ganime (Novo-RJ) foram chamados a substituírem deputados do PSDB, DEM e PL e votarem como titulares. Além deles, Tiago Mitraud (Novo-MG) tem acompanhado as discussões desde o início.

Hoje, novas mudanças ocorreram. O deputado capitão Alberto Neto (Republicanos-AM) deixou a comissão e, no lugar dele, entrou Henrique do Paraíso (Republicanos-SP). Osmar Terra (MDB-RS) saiu para a entrada de Mauro Lopes (MDB-MG).

A rejeição ao requerimento abre caminho para que o parecer do deputado Arthur Maia (DEM-BA) seja votado nesta quinta-feira pela comissão especial. Após o texto, serão votadas as emendas dos partidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *