Cidade do Rio pode encerrar uso de máscara em ambiente aberto em até 15 dias, diz secretário

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

06/10/2021

O uso obrigatório de máscaras em locais abertos sem aglomeração na cidade do Rio de Janeiro pode terminar em cerca de dez a 15 dias. A possibilidade foi aventada pelo secretário de saúde da capital fluminense, Daniel Soranz, em entrevista nesta quarta-feira (06) no jornal “Bom dia Rio”, da TV Globo.

Em sua participação no jornal televisivo, Soranz foi questionado sobre a decisão em estudo pela prefeitura, de flexibilizar mais medidas restritivas, delineadas pelo gestor municipal em meio à pandemia para prevenir e diminuir contaminação por covid-19 na capital fluminense. Uma delas é o fim de uso obrigatório de máscaras em locais abertos sem aglomeração.

Leia mais:

  • Os países onde os brasileiros já são bem-vindos no pós-pandemia
  • Qual foi o impacto da pandemia na economia brasileira
  • Risco de pegar covid-19 no avião: O que a ciência já sabe o assunto

Ao ser indagado se essa decisão, de fim de uso obrigatório de máscaras, não seria precipitada, o secretário comentou que o fim dessa obrigatoriedade não vai ocorrer “agora”. Ele explicou que existem parâmetros para que isso aconteça, que são 65% da população carioca totalmente vacinada; e 80% da população adulta (ou seja, acima de 18 anos) totalmente vacinada, “o que deve ocorrer em dez a 15 dias”, informou ele. “E vamos a acompanhar os indicadores epidemiológicos”, acrescentou.

  • Leia mais: São Paulo e Rio avaliam tornar máscara opcional em espaços abertos

No caso dos indicadores epidemiológicos da capital fluminense relacionados à covid-19 na cidade, Soranz afirmou que hoje o Rio vive “o melhor cenário epidemiológico” desde o começo de pandemia, em março de 2020. “Temos menor taxa de transmissão de covid [na cidade] desde o início da pandemia”, afirmou ao acrescentar que outros países que decidiram pelo fim de uso obrigatório de máscaras em ambientes abertos sem aglomeração tinham ambientes epidemiológicos muito piores do que o quadro atual sanitário da cidade do Rio.

Ele frisou, no entanto, que a secretaria vai acompanhar os indicadores relacionados à pandemia para corroborar decisão sobre fim de uso obrigatório de máscaras em ambientes abertos sem aglomeração. “Esperamos que não tenha nenhuma variante nova [de covid-19]”, afirmou o Soranz.

O secretário classificou que o cenário na cidade do Rio conta, atualmente, com redução consistente de número de casos em período de seis semanas. “Nunca tivemos isso. Temos um cenário bem estável [de melhora da pandemia]”, afirmou ao jornal televisivo. “Mas trabalhamos com evidências científicas” ressaltou, comentando que, tendo em vista o atual quadro sanitário de melhora, a prefeitura começa a planejar flexibilização de medidas restritivas em meio à pandemia.

Ao falar sobre flexibilização, Soranz pontuou que a continuidade da imunização contra a doença, na capital fluminense, é fundamental para continuidade de estudos em medidas restritivas menos intensas de circulação social. “Para a gente avançar na flexibilização, precisamos avançar na vacinação”, resumiu, lembrando que na cidade do Rio foi antecipada aplicação de segunda dose de vacina do tipo Pfizer, para maiores de 40 anos. “Esperamos 100 mil pessoas vacinadas nos próximos dias com segunda dose; e 120 mil pessoas acima de 60 anos com terceira dose”, disse ele.

A meta da prefeitura é atingir aplicação de terceira dose a maiores de 60 anos até fim de outubro; e chegar com 80% da população carioca totalmente vacinada em novembro, informou ainda o secretário. A secretaria pretende ainda, nos próximos dias, montar “pontos volantes de vacinação” em estações de transporte público, como metrô e BRT, tanto para chamar pessoas para a campanha de vacinação que não tomaram segunda dose; como as que não tomaram ainda dose de reforço.

No site Painel Rio Covid-19, disponibilizado na internet pela prefeitura do Rio, a gestão municipal da cidade contabiliza um total de 9.714.831 de doses aplicadas na capital. Esses números levam a cenário de 99,2% da população acima de 12 anos na capital fluminense com primeira dose ou dose única; e de 66,9% com segunda dose ou dose única, de acordo com cálculos da prefeitura. No caso de população acima de 18 anos, os porcentuais são respectivamente de 99,8% e de 73,2%, para cada uma dessas duas delimitações. Os dados são atualizados até as 8h de 6 de outubro.

No Rio de Janeiro, são contabilizadas 19.585.396 de doses aplicadas em todo o Estado, até as 8h30 de 5 de outubro. Os dados constam do “Vacinômetro” disponibilizado em portal na internet pelo governo fluminense.

Categorias:

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *