Captação do BTG permanecerá forte, mas sem superar 2º tri, diz presidente

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

10/08/2021

O CEO do BTG Pactual, Roberto Sallouti, disse nesta terça-feira (10), em teleconferência com analistas, que os níveis de captação da instituição seguirão elevados, por meio de investimento em tecnologia, marketing e aquisições de novos parceiros. Mas, segundo ele, “talvez não consiga bater o que foi no segundo trimestre” de 2021.

O BTG Pactual obteve recorde de captações entre abril e junho deste ano com R$ 98 bilhões em “net new money” (NNM), sendo R$ 44 bilhões em asset management e R$ 54 bilhões em wealth management. Tanto em wealth management quanto na asset, as captações chegaram a quase R$ 130 bilhões em 12 meses. Ele espera que na asset continue neste nível no próximo período.

“Mercado de asset deve começar a demandar muito investimento alternativo”, disse o executivo.

  • Leia mais: BTG lucra R$ 1,719 bi no 2º tri, alta de 74,2% na comparação anual

O diretor-executivo financeiro do BTG, João Dantas, espera que a receita da área de sales & trading, que teve forte contribuição das receitas totais da instituição no segundo trimestre, deve continuar avançando, mas não no mesmo ritmo.

A receita de sales & trading atingiu R$ 1,255 bilhão entre abril e maio, uma alta anual de 23%, impulsionado pelas mesas de câmbio e ações. E com o menor nível de alocação de risco da sua história (VaR de 0,25%, 36,4% menor que o primeiro trimestre de 2021), indicando “forte atividade da franquia de cliente”.

“A receita recorrente da área agora é de R$ 1 bilhão , mais ou menos 20% ”, disse Sallouti. Ele também destacou a atividade de investment banking, dando ainda mais ênfase que deve seguir “muito forte no segundo semestre deste ano”. A área teve alta anual de 209% na receita do segundo trimestre, atingindo R$ 685 milhões, com forte contribuição de todas as linhas de negócio, em especial dívida (DCM) e ações (ECM). O banco participou de 66 operações no período, ante 47 no primeiro trimestre e 22 no segundo trimestre do ano passado.

“Financial Advisory teve performance melhor comparada ao trimestre anterior. Pipeline de M&A [fusões e aquisições, na sigla em inglês] permanece forte para frente”, disse o CEO.

Pequenas empresas

Dantas destacou o crescimento da carteira de crédito no segundo trimestre, de boa qualidade e com spreads considerados estáveis. Sallouti acrescentou que “neste trimestre ficou comprovada mudança de patamar de nossas franquias e clientes”. “Tivemos recorde de captação em gestão de recursos e fortunas; temos mais de meio trilhão em ativos que pagam taxas”, complementou.

Dantas espera que as pequenas empresas representem 20% no total da carteira do banco no futuro próximo. Hoje, essa participação é de cerca de 16%. Ele destacou que espera atingir este patamar por meio da diversificação de produtos e serviços a serem oferecidos.

Basicamente, as linhas de crédito oferecidas as PME pelo BTG hoje são de antecipação de recebíveis e desconto de duplicatas, que possuem baixa inadimplência – apesar do banco não divulgar qual é essa taxa. Dantas explicou que estão já testando com alguns clientes a conta corrente para PMEs, semelhante ao BTG+ que atende pessoas físicas, principalmente no varejo alta renda.

“Com maior visibilidade sobre esses negócios, podemos expandir os produtos [mais linhas de crédito]”, disse. O portfólio de PMEs somou R$ 14,1 bilhões no trimestre, um crescimento anual de 142%.

Dantas descartou também planos de fechar o capital do Banco Pan, agora que o BTG tem maior controle da instituição (71,7% do total de ações). “Vamos manter as operações independentes, com uma base de clientes sem conflito com a nossa. Queremos que eles continuem contando a história deles, com nosso apoio”, afirmou aos jornalistas.

BTG+

Dantas disse que seu banco digital para pessoa física, o BTG+, se consolidou como a melhor plataforma para o varejo de alta renda. Segundo ele, este é um resultado de investimentos feitos ao longo do ano.

O executivo destacou a expansão de ofertas de produtos no período com cartão de crédito adicional, débito automático e um sistema de gestão de gastos por meio de inteligência artificial, chamado de Finanças+. “Estamos agora em fase de teste da conta corrente para PJ, como foco em pequenas e médias empresas”, disse Dantas.

De acordo com ele, a intenção é melhorar o relacionamento que já existe com essas companhias na carteira de crédito, principalmente no recebíveis de cartão de crédito e desconto em duplicatas. O portfólio expandido de crédito corporativo e para pequenas e médias empresas (PME) atingiu R$ 97,674 bilhões, crescimento anual de 47,5%.

O portfólio de PMEs (BTG+ Business) somou R$ 14,1 bilhões no trimestre, um crescimento anual de 142%. Hoje a carteira de PME já representa 16% de todo portfólio de crédito do banco.

Juros

Sallouti afirma que que mesmo com a expectativa de aumento da taxa de juros, o cenário do mercado de capitais não muda enquanto a Selic ficar em um dígito. “Expectativas de taxas de juros têm subido, mas enquanto ficar em um dígito, financial deepening [aprofundamento do mercado de capitais] não para”, diz Sallouti. De acordo com o executivo, o que pode mudar é o fluxo dos recursos, mas a tendência da busca pela diversificação permanece.

Na visão de Sallouti, o que mais preocuparia seria o não cumprimento das regras de responsabilidade fiscal pelo governo federal. “Temos muito barulho, mas a responsabilidade fiscal tem sido mantida”, afirmou a analistas, em teleconferência realizada na manhã desta terça-feira.

Sobre o cenário de déficit hídrico, o executivo comentou que isso deve continuar afetando os preços de energia, mas não acredita que terá um impacto muito significativo na economia. “Não estamos achando que vai chegar nesse ponto.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *