Bolsas asiáticas fecham em alta seguindo recuperação em NY

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

07/10/2021

As principais bolsas asiáticas fecharam em alta, acompanhando a recuperação da véspera em Nova York, onde as praças financeiras apagaram perdas aceleradas para encerrarem o pregão no azul, em meio a sinais de progresso na resolução do impasse em Washington sobre o teto da dívida dos Estados Unidos.

Ao final da sessão, o índice Nikkei 225, da Bolsa de Tóquio, subiu 0,54%; na Coreia do Sul, a Bolsa de Seul teve alta de 1,76%. Na China, Hong Kong disparou 3,07%, enquanto Xangai permaneceu fechada ainda devido ao feriado nacional. As negociações na bolsa chinesa do continente devem ser retomadas amanhã.

Leia mais:

  • Bolsas sobem com negociações em Washington
  • EUA trazem algum alívio, mas falta força a ativos locais
  • Investidor em bônus não entra na febre das criptomoedas

“Os investidores estavam nervosos em relação ao teto da dívida”, resumiu à Dow Jones Newswires Jay Hatfield, CEO da Infrastructure Capital Advisors.

Se o teto da dívida dos EUA, que limita a quantidade de dinheiro que o governo pode tomar emprestado, não for elevado até o próximo dia 18, o país “provavelmente enfrentará uma crise financeira e uma recessão econômica”, disse na semana passada a secretária do Tesouro americano, Janet Yellen, ao Congresso.

O Senado dos EUA entrou em recesso na noite desta quarta-feira (07) para que os legisladores pudessem discutir a proposta, atrasando a votação de um projeto de lei aprovado pela Câmara para suspender o teto da dívida do país.

Já na Ásia, o ritmo lento da vacinação contra a covid-19 na região sudeste e a desaceleração econômica da China mantêm os negócios na região mais vulneráveis. Além disso, as perspectivas econômicas do Japão também permanecem obscuras após a posse do novo primeiro-ministro, Fumio Kishida. Alguns analistas estão céticos de que qualquer novo gasto no Japão irá empurrar o país para um endividamento mais profundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *