Aziz diz que Jair Renan faz ameaça à CPI e que Pacheco tomará providências

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

21/09/2021

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou nesta terça-feira que o vídeo publicado por Jair Renan Bolsonaro em uma loja de armas, com referência ao colegiado, é uma “ameaça velada”. Ele disse que a CPI pode tomar providências contra o jovem, mas que deixará isso a cargo do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Segundo Aziz, ele e Pacheco conversaram sobre o episódio e que o presidente do Senado teria dito “claramente” que também vê o vídeo como ameaça e que a Casa tomará “todas medidas cabíveis”.

“[O vídeo de Jair Renan] uma ameaça velada à CPI. A CPI pode tomar suas providências, mas eu preferia que fosse o presidente do Senado. Pacheco me disse claramente que é uma ameaça velada do filho do presidente e vai tomar providências”, afirmou. “Pacheco disse que tomará todas medidas cabíveis contra esse tipo de ameaça do filho do presidente. Pode parecer brincadeira isso, mas não é”.

A posição foi dada em resposta ao senador Rogério Carvalho (PT-SE), que questionou quais seriam as medidas serão adotadas após o filho do presidente Jair Bolsonaro ameaçar a comissão. Na segunda-feira, o filho de Bolsonaro publicou, em suas redes sociais, um vídeo em uma loja de armas de fogo com a seguinte legenda: “Aloooo CPI kkkkk”.

O vídeo foi exibido durante a sessão da CPI. Nas imagens, Jair Renan exibe uma gaveta cheia de armas e chama-as de “brinquedos”. Após a exibição, Aziz afirmou que “quem tem esse linguagem é marginal”.

O relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), também criticou a postura do filho do presidente e destacou que “as ameaças de um fedelho como esse [Jair Renan] não vão intimidar a CPI”.

Relatório final

Ao comentar a decisão de Calheiros de adiar a entrega do relatório final da comissão, Aziz reforçou que o próprio governo gera fatos novos que fazem com que os trabalhos se estendam. Segundo ele, os trabalhos da CPI só vão terminar “quando o governo parar de tolice”.

“Ministro Queiroga fez aquela cena deprimente para o tamanho que ele tem, por isso não sei quando vai terminar a CPI”, disse o presidente da CPI, em referência aos gestos obscenos feitos pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na noite de segunda-feira, para pessoas que protestavam contra a comitiva de Bolsonaro em Nova York.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *