Auditores fiscais agropecuários decidem fazer operação padrão

Eles querem que o governo federal faça a correção salarial da categoria

28/12/2021

Auditores fiscais agropecuários decidem fazer operação padrão Bolsonaro destaca à OMS o papel do Brasil na segurança alimentar (Foto: Divulgação)

Assembleia dos auditores fiscais federais agropecuários (affas) decidiu que a categoria passa a fazer operação padrão em todo o país. Eles pedem aumento salarial. O governo não cedeu e anunciou um aumento para policiais federais. Quase a totalidade, 97% dos auditores, decidiram pela greve. A operação padrão vai manter um ritmo normal de trabalho apenas para as atividades que podem prejudicar o cidadão. Por exemplo: serão vistoriadas cargas vivas, bagagens de passageiros, animais de companhia (os pets), produtos perecíveis e o diagnóstico de doenças raras e pragas. Entre elas, a Peste Suína, a febre aftosa e outras pragas que podem afetar o agronegócio brasileiro.

A informação é do site Safras & Mercados.

A decisão em sendo discutida na categoria desde a semana passada quando ela foi excluída da possibilidade de receber aumento salarial durante a aprovação do Orçamento do ao que vem. A Assembleia foi virtual. O governo havia dado esperança à categoria. De acordo com o Anffa Sindical (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários), Janus Pablo, é “importante destacar que o trabalho dos affas teve um impacto positivo na manutenção de 183 mil postos de trabalho no agronegócio e de R$ 87,5 bilhões no resultado da economia brasileira em 2020”. Os auditores dizem não compreender um governo que pode comprometer a atividade do agronegócio, setor que é pilar da economia e que foi extremamente afetado pela pandemia.

A categoria, afirma o Sindicato, está sem qualquer tipo de recomposição salarial desde 2017. Outras categorias e fiscalização e auditoria tiveram aumentos em 2018 e 2019. Segundo o site Safras & Mercado, o presidente do sindicato, Janus Pablo, ““esclarece que a carreira vem trabalhando com déficit de 1.620 affas, com excesso de horas-extras e banco de horas, que na maioria dos casos, não podem ser convertidos em folgas, pela carência de servidores. “Com a exclusão da nossa carreira do Orçamento de 2022 o Governo Federal emitiu um recado claro, de que não valoriza o trabalho dos affas e indiretamente, nem os resultados positivos alcançados pela cadeia produtiva do setor agropecuário””.

Os affas são funcionários concursados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), responsáveis pela saúde animal, a sanidade vegetal e a qualidade e segurança dos produtos agropecuários. Atuam em portos, aeroportos e postos de fronteira. Hoje são 2,5 mil affas. Em 2000, eram 4.040.

 

Da Redação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.