Anvisa pede informações sobre 3ª dose da Coronavac ao Butantan

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

28/08/2021

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) solicitou nesta sexta-feira (27) informações ao Instituto Butantan sobre doses de reforço e revacinação do imunizante Coronavac, produzido em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Leia mais:

  • Vacina Pfizer: Eficácia, reações mais comuns e outros dados importantes
  • Variante delta: Sintomas, eficácia da vacina e o que mais se sabe sobre a mutação do coronavírus
  • Especialista alerta para risco de surgimento de uma supervariante
  • Vacina Astrazeneca: Eficácia, reações mais comuns e outros dados importantes

Segundo nota da autoridade, “a agência quer saber se há dados científicos ou regulatórios que possam subsidiar a questão”.

No texto, a agência também reforça que “tem feito busca ativa por dados e estudos sobre as doses de reforço”. “O objetivo é antecipar informações para avaliar o cenário em torno da necessidade ou não de doses adicionais das vacinas contra covid-19 em uso no Brasil.”

Os representantes da Anvisa querem se reunir com membros do Butantan para discutir dados e estudos em andamento, cronogramas e resultados interinos. Atualmente, a Coronavac possui esquema de duas doses.

Na última segunda-feira (23), o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu que as vacinas de reforço contra a covid-19 sejam adiadas, pois a prioridade deve ser dada ao aumento das taxas de vacinação em países onde apenas 1% ou 2% da população foi imunizado.

De acordo com ele, se as taxas de vacinação não forem aumentadas globalmente, variantes mais fortes do coronavírus podem se desenvolver. Por isso, o diretor-geral argumenta que vacinas destinadas para terceira dose devem ser doadas a países onde a maioria das pessoas não recebeu sua primeira ou segunda dose.

“Além disso, há um debate sobre se as injeções de reforço são realmente eficazes”, disse Ghebreyesus em entrevista coletiva com o ministro das Relações Exteriores da Hungria, Peter Szijjarto.

Categorias:

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *