Anfavea reduz estimativa de produção para até 2,21 milhões de veículos em 2021

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

06/10/2021

O presidente da Anfavea, Luiz Carlos de Moraes, disse, durante a apresentação dos resultados do setor em setembro, que a entidade teve que revisar para baixo as estimativas de vendas, produção e exportação para este ano, em razão da crise de semicondutores e problemas logísticos que as montadoras enfrentam no Brasil.

Segundo ele, a Anfavea traçou dois cenários para 2021: um otimista e um mais conservador. “Há muita dificuldade no radar para definirmos as estimativas para o último trimestre, mas tivemos que calibrar para baixo as projeções que fizemos em julho. Elas não fazem mais sentido”, disse.

A produção, segundo ele, considerando o ritmo de produção do terceiro trimestre, ao redor de 160 mil veículos por mês, nos três últimos meses deste ano, podem ser produzidos 480 mil unidades, o que no total chega a 2,12 milhões de veículos, uma alta de 6%.

Leia mais: Importadores abrem o caminho para carro elétrico

Já no cenário com um ritmo de produção semelhante ao início do ano, de 190 mil unidades, a montagem de veículos pode crescer 10% neste ano, chegando a 2,21 milhões de veículos, alta de 10%, de acordo com a Anfavea. A estimativa de julho era de um crescimento de 22%, com 2,45 milhões de unidades produzidas.

“A partir dessa simulação, a exportação poderá ser de 356 mil ou 377 mil unidades em 2021. Esperávamos uma alta de 20%, chegando a 389 mil veículos exportados. Ajustamos para baixo as estimativas”, afirmou Moraes.

Com relação aos licenciamentos, o dirigente ressaltou que o volume no mercado interno pode chegar entre 2,03 milhões e 2,11 milhões, queda de 1% ou alta de 3%. A última projeção da Anfavea era de crescimento de 13%, chegando a 2,32 milhões.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *