Administradora de lojas de aeroportos Dufry registra prejuízo de US$ 544 milhões

Testes, férias coletivas e outras medidas compõem o Plano de Contingência da empresa para prevenção, controle e redução de riscos de contágio

10/08/2021

A administradora de lojas de aeroportos Dufry reportou nesta terça-feira (10) um prejuízo líquido de 499,2 milhões de francos suíços (US$ 544 milhões) no primeiro semestre deste ano, um resultado menos pior diante do prejuízo de 903 milhões de francos do mesmo período de 2020.

O resultado operacional totalizou perdas de 369,5 milhões de francos, ante uma perda de 932 milhões no primeiro semestre do ano passado e a receita teve um resultado 25% abaixo dos níveis de 2020, totalizando 1,19 bilhão de francos nesse semestre que passou.

“O resultado da Dufry reflete a situação geral do setor de viagens e turismo, ainda muito vulnerável”, diz relatório do banco de investimentos Baader Helvea. Segundo a instituição financeira, os resultados ficaram 4% piores do que as expectativas do mercado.

Segundo o presidente da empresa, Julián Díaz, o primeiro semestre foi caracterizado por um início lento, mas com o progresso da vacinação e a implementação de protocolos de viagens, a Dufry vê sinais claros de recuperação.

“Certamente não estamos onde queremos estar, mas a alta demanda por varejo de viagem e a experiência de compra oferecida por nossas operações nos dão confiança para os próximos meses. As vendas líquidas de julho já voltaram a um nível 50,4% abaixo em relação a 2019”, diz Julián Díaz no comunicado.

“Ainda mais positivo foi o desempenho nas regiões reabertas com os Estados Unidos reportando 23,9%, abaixo de 2019, na América Central e Caribe 17,6% a menos apenas e as regiões do Mediterrâneo, Europa Oriental e Oriente Médio com desvantagem de 32,3% em relação a 2019.

O relatório do Baader completa dizendo que a situação do setor de viagens e turismo deve melhorar ao longo do ano com o progresso da vacinação, e estima que o setor retorne aos níveis pré-pandêmicos apenas entre 2022 e 2024.

Leia mais: Economias dependentes do turismo terão um segundo ano difícil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *