João Menezes

Engenheiro Agrônomo, assistente agropecuário e facilitador do GTEPS (Grupo de Troca de Experiências em Pecuária Sustentável).


Produzir mais na pecuária de corte é possível

13/10/2021

Produzir mais na pecuária de corte é possível (Foto: Divulgação)

Hoje iniciamos nossa coluna Mais Arrobas no Canal Pecuarista. O objetivo será discutir as diferentes tecnologias disponíveis para elevação da produtividade pecuária de forma segura e sustentável. Usar o conhecimento para sairmos da situação A para uma situação B melhor, mais produtiva e rentável.

Para produzir mais arrobas na pecuária de corte podemos seguir dois caminhos distintos, porém não excludentes. Podemos priorizar a intensificação de produção por área em pastagens mais produtivas ou buscar elevados desempenhos de animais cada vez mais precoces e eficientes ou como temos visto em muitas propriedades, seguir pelas duas vias melhorando a eficiência geral do sistema de produção de forma sustentável.

A implantação de pastagens mais produtivas, com melhoria da fertilidade do solo utilizando corretivos e fertilizantes da fonte mais adequada, na dose correta, na época certa, no local indicado, colhendo com o animal ou máquinas o máximo de forragem de qualidade e valor nutricional que atenda as necessidades de desempenho animal desejadas em pastagens produtivas, bem manejadas e perenes será uma das abordagens.

Explorar animais melhorados, eficientes e precoces obtidos através de seleção e/ou cruzamentos, com boa sanidade e adequadamente nutridos para abate e reprodução antes dos dois anos também será muito discutido.

Os sistemas de produção adotados no Brasil permitem uma gama enorme de tecnologias e resultados tanto em taxas de lotação (cab./ha) como desempenho animal (kg/cab.dia) e estas resultam em diferentes produções por área (@/ha) (Tabela 1).

GPD Médio (kg)

TAXA DE LOTAÇÃO (CAB./HA)

0.5

1.5

2.5

3.5

4.5

5.5

6.5

7.5

0.3

1.8

5.5

9.1

12.8

16.4

20.1

23.7

27.4

0.4

2.4

7.3

12.2

17.0

21.9

26.8

31.6

36.5

0.5

3.0

9.1

15.2

21.3

27.4

33.5

39.5

45.6

0.6

3.7

11.0

18.3

25.6

32.9

40.2

47.5

54.8

0.7

4.3

12.8

21.3

29.8

38.3

46.8

55.4

63.9

0.8

4.9

14.6

24.3

34.1

43.8

53.5

63.3

73.0

0.9

5.5

16.4

27.4

38.3

49.3

60.2

71.2

82.1

1,0

6.1

18.3

30.4

42.6

54.8

66.9

79.1

91.3

Trabalho da CNA/CEPEA mostra uma realidade muito diferente entre a tecnologia disponível nos centros de pesquisa e propriedades que utilizam sistemas intensificados e a produtividade média do setor, que mesmo evoluindo a passos largos, aumentou 22% na comparação dos anos de 2007 a de 2012, 4,56 @/ha para 5,57 em 2013 a 2017.

Algumas técnicas podem deixar de ser adotadas por não serem adequadas àquela situação ou propriedade, exigirem investimentos que nem sempre estão disponíveis ou estarem indisponíveis em algumas regiões, mas nunca devem ser preteridas por desconhecimento.

O objetivo desta coluna será contribuir para que uma maior gama de tecnologias chegue ao pecuarista e permita o conhecimento faça parte da vida de um maior número de produtores de alimentos, a carne em particular e nossa atividade seja cada vez mais sustentável, geradora de emprego, renda e preservando o meio ambiente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *