João Menezes

Engenheiro Agrônomo, assistente agropecuário e facilitador do GTEPS (Grupo de Troca de Experiências em Pecuária Sustentável).


Mais produção agrícola com pastagens produzindo palha

04/05/2022

Mais produção agrícola com pastagens produzindo palha

Uma boa estratégia para reduzir custo de formação e reforma de pastagens é a combinação agricultura e pecuária pelos benefícios às pastagens, mas a agricultura também é favorecida. Os restos culturais devem cobrir, pelo menos, 80% da superfície do solo ou manter 6 t/ha de matéria seca para uma boa cobertura do solo e as pastagens são as plantas mais eficientes em acúmulo de massa e provêm a melhor proteção do solo, podendo ser pastejadas na seca e facilmente dessecadas para a próxima safra.

A associação agricultura e pecuária reduz os custos de recuperação da fertilidade e estabelecimento de pastagens. Porém a agricultura acaba sendo também beneficiada pela palha deixada pela pastagem. A principal vantagem da pastagem para a agricultura é a excelente produção de palha, pois as forrageiras são plantas que possuem grande capacidade de acúmulo de massa, algumas como a ruziziensis são bem susceptíveis ao glifosato facilitando a dessecação e proporcionando ótima cobertura do solo, mesmo que seja pastejada pelos animais, recupera rapidamente boa quantidade de forragem que favorecerá uma boa cobertura do solo.

As forrageiras, em solos de elevada fertilidade como as de agricultura, têm extenso sistema radicular que recicla os nutrientes não aproveitados pela cultura e bem como promovem com a grande elevada de uma boa descompactação do solo além de melhorar a estrutura do solo.

As pastagens e sua palhada conseguem proporcionar elevação da matéria orgânica do solo e todas as vantagens de sua presença como aumento da capacidade de retenção de água e nutrientes, além dos compostos orgânicos que favorecem a produção agrícola. A rotação de culturas com pastagens quebra o ciclo de muitas pragas e doenças favorecendo a produtividade e redução de uso de insumos (Figura 1).

A escolha da forrageira depende do uso que se fará da área pós-colheita.  Se a área será usada para agricultura novamente, se pode optar por forrageira que proporcionam boa cobertura e não prejudicam a plantabilidade e colheita, porém quando se vai fazer o uso da pastagem pós-colheita e esta permanecerá por vários anos, se deve escolher forrageira que favoreceram o manejo e produtividade de carne e leite.

O planejamento de uso das pastagens e uma melhor forma de rotacionar as áreas com agricultura permitem equacionar a produção agrícola satisfatória, disponibilização de pastagens de qualidade na seca e formação e reforma de pastagens de elevada produtividade em solos corrigidos e adubados.

A integração lavoura pecuária proporciona grande quantidade de palha e matéria orgânica favorecendo a produtividade da agricultura e tornando essa sinergia benéfica tanto para a pastagens como para a cultura estabelecida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.