João Menezes

Engenheiro Agrônomo, assistente agropecuário e facilitador do GTEPS (Grupo de Troca de Experiências em Pecuária Sustentável).


Mais arrobas com o método de pastejo correto

19/01/2022

Mais arrobas com o método de pastejo correto Arroba do boi se mantém estável em praças de SP, enquanto cotações em MG e MS caem. (Foto: Agência Brasil)

A escolha do método de pastejo não é determinante do sucesso do uso das pastagens, mas a sua execução de forma correta, da maneira preconizada pela técnica é fundamental. Se o produtor adotar pastejo de lotação contínua, rotacionado ou em faixa da forma correta, provavelmente terá sucesso. E qual a maneira adequada? É aquela que respeita a fisiologia da planta utilizada, aliada às metas de desempenho por animal e por área.

O pastejo lotação contínua é um método de pastejo onde os animais ficam em uma determinada pastagem por todo o período de utilização, sem que haja mudanças periódicas das pastagens, havendo apenas adequação ou não, da taxa de lotação de acordo com a altura média recomendada para a forrageira presente (Figura 1 A).

O pastejo rotacionado é um método de pastejo onde os animais ficam em uma determinada pastagem por um período (PO = Período de Ocupação) e depois esta área fica sem animais por outro período (PD = Período de descanso) e então o gado retorna àquela área (Figura 1 B). Este tipo de manejo apesar de envolver maiores gastos com cercas permite um controle melhor da altura adequada da pastagem e da uniformidade de pastejo.

O pastejo em faixa é um manejo do pastejo onde os animais têm limitação de acesso a uma determinada área ainda não pastejada dentro de um mesmo pasto e o acesso é controlado com cercas móveis elétricas obrigando os animais a consumirem apenas uma faixa da pastagem por período (Figura 1 C). Mesmo com maior uso de mão de obra é o método que permite maior uniformidade de pastejo.

Seja qual for o método de pastejo, a fisiologia da planta deve ser respeitada mantendo as alturas média (lotação contínua) ou de entrada e saída (rotacionado e em faixa), bem como o descanso da planta. Tanto o subpastejo como o sobrepastejo são prejudiciais e estes são influenciados pelo dimensionamento dos piquetes, pois pastos maiores resultam em pastejo mais desuniforme, porém adequação da taxa de lotação é fundamental para evitar problemas de corte desigual ou muito intenso das pastagens.

A oferta de forragem variará em função da taxa de lotação e devem mudar, sempre respeitando a necessidade das plantas, de acordo com os objetivos preconizados para aquela pastagem. Quando o objetivo for maior taxa de lotação, com mais animais por área, um pastejo mais baixo pode ser tolerado, Ex. animais de menor desempenho e/ou necessidade nutricionais como vacas vazias sem bezerro. Quando o objetivo for maior desempenho e ganho de peso, um pastejo mais leniente pode ser usado e trabalha-se com menor taxa de lotação, Ex. animais de maior desempenho e/ou necessidade nutricionais como vacas primíparas e animais em engorda.

A escolha do método de pastejo é muito importante, mas o correto é seguir as orientações de manejo e procurando atingir os objetivos proposto para cada pastagem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.