João Menezes

Engenheiro Agrônomo, assistente agropecuário e facilitador do GTEPS (Grupo de Troca de Experiências em Pecuária Sustentável).


Mais arrobas com a terminação intensiva em pastagens

22/12/2021

Mais arrobas com a terminação intensiva em pastagens A qualidade das pastagens é fundamental para a produtividade e a saúde dos animais (Foto: Pixabay)

Na terminação intensiva em passagens (TIP) é adotado o fornecimento de grande quantidade de concentrado, 2,0% do Peso Vivo em MS, para aumentar o desempenho dos animais durante a seca. A engorda intensiva adianta a idade de abate, permite a utilização de animais não castrados que são mais eficientes e se pode explorar a precocidade dos animais. O abate animais novos aumenta o giro de capital, melhora o desfrute e permite um aumento no número de abates anuais, além de permitir melhor equilíbrio do uso das pastagens na época seca.

O nível de suplementação é elevado para melhorar o ganho de peso, bem como o ganho de carcaça, aumentando o rendimento de carcaça, bem como a sua qualidade com melhor deposição de gordura.

Mesmo com níveis elevados de concentrado é importante termos uma pastagem de boa qualidade, pois além dela fornecer parte dos nutrientes, disponibiliza fibra que garante bom funcionamento ruminal durante o período de alimentação intensiva. Quando a pastagem ofertada tem uma boa disponibilidade forragem, há uma maior eficiência biológica dos animais, kg de concentrado por arroba produzida (Figura 1).


Figura 1: oferta de forragem e eficiência biológica (kg de concentrado por @ de ganho)
Fonte: Lima, 2014, citado por Cidrini e Siqueira, 2021.

Os animais em pastagem consomem uma dieta bem diferente daquela que se tem em terminação com um elevado o uso de concentrado, portanto é muito importante uma adaptação gradual para que os animais tenham a população de bactérias do rúmen adaptadas a essa nova dieta. Quanto melhor adaptação, menos problemas se terá, evita se retirar animais dos lotes de engorda, além de melhorar o desempenho. Um período de 2 a 3 semanas de adaptação é o ideal.

Os piquetes onde se tratará os animais devem ser bem dimensionados e planejados para lotes entre 80 e 120 animais e piquetes de 15 a 20 ha. Com espaçamento de 30 a 50 cm por cabeça nos cochos e bastante água disponível que não deve estar muito próxima do local de trato para evitar formação de lama, em torno de 50 a 100 m de distância.

Numa época em que os animais normalmente perderiam peso em pastagem, engordarão rapidamente de forma segura, sem grandes investimentos em instalações e maquinários, permitindo com isso o abate precoce dos animais bem-acabados e girando maior número de cabeças na propriedade, com um retorno mais rápido do capital investido, aumentando o desfrute e renda anual.

Esse é um sistema que serve tanto para machos como para fêmeas, porém devido o valor da arroba das fêmeas ser menor e a eficiência biológica também, nem sempre o sistema é viável para fêmeas, mas também pode ser usado para fêmeas descarte. O importante é que o produtor faça as contas antes de fechar os animais para evitar surpresas no final da engorda.

A terminação intensiva em pastagem (TIP) é alternativa viável para se engordar animais na época da seca, o investimento em infraestrutura, instalações e maquinários é menor que o do confinamento e se consegue engordar os animais neste período aumentando a eficiência da propriedade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.